Todos precisamos do nosso tempo sem filhos, maridos, pais e amigos. Aquele tempo só nosso. Mais ainda se houver crianças ao barulho que, ainda que sejam o melhor do mundo, podem ser desafiantes.

Ainda assim, é com surpresa que percebemos que, segundo um estudo desenvolvido durante o ano de 2018, os homens passam sete horas por ano na casa de banho para se refugiarem da família. A análise comportamental teve como amostra mil homens britânicos e foi desenvolvida pela Pebble Gray, uma empresa de instalações de casas de banho.

“Todos nós precisamos de um pouco de tempo sozinhos, para desligar completamente. E a casa de banho pode ser o lugar para esses momentos”, explica em comunicado Helena Linsky, diretora da empresa. Mas ainda que esse possa ser uma espécie de espaço sagrado, a mesma investigação conclui que, em média, cada homem teve uma em cada dez visitas à casa de banho interrompida — 171 vezes no decorrer de um ano.

Lei de identidade de género nas escolas. Guia para não dizer disparates (como “vai haver casas de banho mistas”)

Ainda assim, e ao contrário do que possa imaginar, as interrupções acontecem mais vezes pela intromissão da parceira, ainda que os filhos surjam imediatamente a seguir nesta lista. Talvez por isso, 45% dos inquiridos tenha admitido que é difícil encontrar encontrar um tempo para estarem sozinhos.

Durante a investigação, concluíram ainda que 25% não sabem como lidariam com o stresse doméstico sem essas idas estratégicas à casa de banho e 23% consideram esse como “o seu lugar seguro”.

“É um santuário, um lugar onde podemos separar-se do mundo exterior, embora apenas temporariamente”, acrescentou Linsky

E de que fogem estes homens? Das mulheres e dos filhos, essencialmente. Pelo menos é isso que indica o estudo que avança ainda que aquilo que homens procuram essencialmente são “momentos de silêncio”.

Então e as mulheres? Também foram analisadas mil, mas são poucas as que admitem recorrer à casa de banho para fugir à confusão doméstica — apenas 20%.