O desaparecimento de Madeleine McCann tem mais de 12 anos, mas ainda continua a dar que falar. Depois de um documentário polémico da Netflix onde se lançam várias hipóteses sobre o que poderá ter acontecido a Maddie, Gonçalo Amaral, o ex-inspetor da Polícia Judiciária e, na altura, um dos responsáveis pelo caso, diz que o suspeito de ter raptado a criança é “quase igual” a Gerry McCann, o pai.

Segundo escreve o jornal “Expresso”, a revelação de Gonçalo Amaral, que também fez parte do documentário da Netflix, foi feita ao canal espanhol Cuatro. “Neste momento fala-se de um pedófilo alemão que está condenado a prisão perpétua e que terá assassinado várias crianças. Aquilo que eu sei é que não é esse”, terá dito.

Sem revelar o que o terá feito chegar a essa conclusão, o ex-inspetor garante ainda que o suspeito além de ser alemão, também está detido na Alemanha condenado pelo abuso sexual de menores e que terá sido apanhado numa conversa online com outros pedófilos. “Há uma conversa entre essa pessoa e outra onde falavam de Madeleine”, cita o jornal “Expresso”.

Entrevista à assessora dos McCann. “Tive vários jornalistas a ligarem-me a dizer que iam descobrir os meus podres”

Embora o mesmo jornal tenha tentado chegar à fala com o ex-inspetor, Gonçalo Amaral não retribuiu as chamadas nem as mensagens. Apesar disso, uma fonte da Polícia Judiciária revelou ao “Expresso” que “continua a investigar o caso e que este não está encerrado”.

Maddie desapareceu 3 de maio de 2007 da Praia da Luz, no Algarve. Desde então que ninguém sabe o que lhe aconteceu e é talvez um dos casos mais mediáticos que tem fomentado teorias de conspiração.

O desaparecimento da criança foi recordado num documentário exclusivo da Netflix que, intitulado “O Desaparecimento de Madeline McCann”, põe em causa a eficiência da polícia portuguesa em lidar com uma investigação para a qual, possivelmente, não estaria preparada.