Febre e dificuldade em respirar foram os primeiros sintomas que um homem de 63 anos sentiu quando chegou ao hospital Rotes Kreuz Krankenhaus, na Alemanha.

Seguiram-se duas semanas com um sucessivo agravamento do estado clínico: pneumonia, gangrena — necrose de tecido do corpo devido a uma falta de fluxo sanguíneo ou a uma infeção bacteriana, de acordo com o Grupo Sanfil Medicina (GSM) — e febre, com valores que chegaram aos 41.º C.

Todos os sintomas estavam relacionados com uma infeção rara, capnocytophaga canimorsus, que consiste numa bactéria normalmente transmitida por picadas. Mas neste caso, foi uma simples lambidela do cão que transmitiu ao dono a bactéria que estava na saliva do animal.

O caso pouco comum foi estudado e divulgado a 9 de novembro pela revista da Federação Europeia da Medicina Interna (EFIM). De acordo com o jornal “The Daily Mail” há um outro estudo alemão que revela que a bactéria afeta apenas um em cada 1,5 milhões de pessoas e apenas em 28 a 31% dos casos é fatal.

A equipa de investigadores alemães que estudou o caso do homem de 63 anos revelou que na altura em que este iniciou os tratamentos, já estava num estado avançado, dado o agravamento generalizado da infeção.

Os médicos tentaram prestar cuidados intensos para salvar a vida do paciente, mas nos primeiros quatro dias a condição piorou e o dono do cão começou a apresentar uma erupção cutânea na cara e tinha até hematomas nas pernas.

Foi então que a infeção afetou também os rins, o fígado e começaram a aparecer coágulos nos vasos sanguíneos. A pele começou a apodrecer e seguiu-se uma paragem cardíaca.

O homem de 63 começou a desenvolver uma erupção cutânea na cara e a pele deteriorou-se ao longo do tempo

European Journal of Case Reports in Internal Medicine

Depois deste episódio, os médicos reanimaram o paciente e colocaram-no num suporte de vida. Mas a batalha contra a infeção continuava. Foi a partir deste momento que apareceu também uma infeção fúngica nos pulmões, pneumonia, desenvolveu-se uma bactéria (MRSA) resistente a vários antibióticos e verificou-se ainda uma acumulação de líquido no cérebro, que pôs em causa do funcionamento de vários órgãos.

O estado clínico limitado após 16 dias de internamento levou então o homem de 63 anos à morte, depois de os médicos e a família decidirem interromper o suporte de vida.

Adota cães, mata-os, filma e partilha

Os médicos, de acordo com o jornal britânico, referem que este tipo de infeções ocorrem normalmente em pessoas com o sistema imunológico fraco, mas no caso do dono deste cão, antes de estar em contacto com a saliva do animal, era completamente saudável — sinal de que pode acontecer a qualquer pessoa.

“Os donos de animais com sintomas semelhantes aos da gripe devem procurar urgentemente aconselhamento médico quando os sintomas excederem os de uma infeção viral simples, que neste caso eram [problemas respiratórios e erupção cutânea]”, alerta a equipa de médicos do hospital Rotes Kreuz Krankenhaus, na Alemanha, liderada por Naomi Mader.