A discussão em torno da união civil entre casais gay nos Estados Unidos acontece desde os anos 70, muito graças à voz contestatária do ativista Harvey Milk. No entanto, só em 2004 é que Massachussets ganhou o título de primeiro estado americano a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Mas ainda que as regras ditassem uma coisa durante décadas, aparentemente, houve um casal que decidiu quebrar com as normas. Pelo menos, é isso que faz crer o documentário e reality show, ainda sem data de estreia, “The Mystery of the 1957 Gay Wedding Photos”.

A narrativa gira em torno de um rolo de fotografias que foi deixado numa loja em Filadélfia, em 1957. Foi revelado para nunca ser devolvido aos seus donos, uma vez que o proprietário do espaço condenava este tipo de comportamento. Nas imagens veem-se momentos de um casamento gay: um casal de homens, com idades entre os 20 e 30 anos, vestidos a rigor. Hoje terão perto de 80 ou 90 anos, especula-se.

A celebração, levada a cabo por alguém que se assemelha a um elemento da Igreja, deverá ter acontecido naquilo que parece ser um apartamento. Nas fotografias há beijos entre os noivos, o bolo de casamento a ser cortado e ainda o momento em que estes abrem os presentes dados pelos convidados. Tudo isto com as persianas fechadas, cerca de 50 anos antes de o casamento gay ser legal.

Escrito pelo trio homossexual Michael J. Wolf, pelo cineasta PJ Palmer e pelo também produtor de televisão Neal Baer, a missão do programa passa por encontrar os protagonistas das imagens.

A primeira bandeira do orgulho gay era diferente da que vemos hoje

“Este projeto é uma paixão para nós”, disse à “BBC” Michael J.Wolf, o escritor sediado em Los Angeles. “Estamos a revirar todas as pedras, a entrevistar dezenas de pessoas em Filadélfia e, além disso, a consultar investigadores, historiadores e especialistas de diferentes áreas.”

Sem pistas sobre a identidade do casal mistério, os escritores estão também a recorrer à Internet: no site disponibilizam as imagens, solicitando que quem tenha informações entre em contacto, via email ou Facebook.

As fotografias já fizeram uma viagem considerável. Passaram pelas mãos de um colecionador, que as terá comprado num leilão online, já a perceber o significado daquelas imagens. Doou-as, depois, aos arquivos da University of Southern California, em Los Angeles, e aos arquivos Wilcox, em Filadélfia, para agora estarem na mão dos escritores e produtores.

“É uma história muito rica que foi suprimida. Enquanto criança, desejava ter visto estas fotografias de família e de um casamento assim… Ter-me-ia sentido muito mais normal, enquanto miúdo. Ficaria a saber que estava bem”, diz Palmer, citado pelo mesmo canal.

Segundo a “BBC”, esta não será a única história de casais que terão oficializado uniões, mesmo que não reconhecidas pelos governos e religiões. Eric Marcus, o apresentador do documentário, diz que não se conhece a frequência com que isto acontecia, porque há poucos registos sobre estas festas e até sobre a forma como estes casais viviam. “É importante lembrar que as pessoas encontravam formas de viver as suas vidas calmamente, longe dos olhos curiosos do mundo hetero.”

Mas basta lembrar todos os entraves colocados a esta orientação sexual para perceber que esta não era tarefa fácil. Muitos anos antes de ser legal, o presidente Dwight Eisenhower assinou uma ordem executiva que ordenava o afastamento de funcionários gay do governo federal.

Em 1952, a American Psychiatric Association classificou a homossexualidade como uma “distúrbio de personalidade sociopata”, na primeira edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtorno Mentais, a lista que contém as desordens psiquiátricas. Só em 1973 é que foi retirado, depois de uma enorme campanha de ativistas do lobby gay. Ainda assim, só em 1990 é que a Organização Mundial de Saúde deixou de incluir a homossexualidade na lista internacional de doenças.

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos só reconheceu a possibilidade o direito ao casamento de casais do mesmo sexo em 2015, 11 anos depois de Massachussets o ter feito.

Em Portugal, os direitos reconhecidos à comunidade gay também vieram tarde. Só em 1982 é que a homossexualidade foi descriminalizada. Em 2001 é reconhecido a casais com pessoas do mesmos sexo direito da união em regime de União de Facto — ainda sem direito à adoção.

O casamento passou a ser possível em 2010, na altura em que o parlamento aprova um diploma que possibilita a união civil entre casais homossexuais. Em 2015 — há quatro anos — adoção de crianças por casais do mesmo sexo passa a ser permitida e, em 2016, as mulheres homossexuais passam a poder recorrer à reprodução medicamente assistida.

Ainda sem previsão de uma plataforma ou canal que transmita os episódios, “The Mystery of the 1957 Gay Wedding Photos” está a ser produzida pela Endemol Shine Group, responsável por reality shows como “Big Brother”, “Peso Pesado” ou “Extreme Makeover: Home Edition.”