Fever. Concerto à luz das velas ao som de música clássica

O "Candlelight" chegou à capital e junta três clássicos da música: Vivaldi, Mozart e Bach. Como o nome indica, a sessão é à luz das velas.

Obras de Vivaldi, Mozart e Bach vão ser tocadas à luz das velas no Palácio da Rocha do Conde d'Óbidos, em Lisboa

Gimmeges/pexels

Falta menos de uma semana para o concerto que vai apagar as luzes e acender de novo a chama das músicas clássicas. Vivaldi, Mozart e Bach vão ser os anfitriões das sessões promovidas pela Fever, plataforma que apresenta uma lista personalizada de eventos ou atividades em várias cidades.

Este é mais um evento Fever Originals, criado de acordo com os interesses dos utilizadores. Os Data Scientists da Fever recolheram os dados e parece que ouvir música clássica à luz das velas era um evento esperado. Se há procura, a Fever oferece.

O “Candlelight” já passou por Londres, Manchester e Madrid, e chegou agora a vez do Palácio da Rocha do Conde d’Óbidos, em Lisboa, receber o ambiente intimista deste concerto. 

O espaço é só por si repleto de história e elegância, mas o facto de acompanhar o concerto com a luz das velas cria um momento de imersão na música que vive da diversidade de instrumentos — desde os violinos e as tubas, até às flautas e pianos.

Com interpretação do Trio de Cordas, vai poder ouvir as três obras mais conhecidas dos artistas: “As Quatro Estações: Inverno”, de Vivaldi; “Eine Kleine Nachtmusik”, de Mozart; e “Variações de Goldberg”, de Bach.

O primeiro concerto acontece já no dia 25 de julho e tem duas sessões: uma das 20h45 às 22h00; e outra que decorre entre as 22h30 e as 23h45. Se não poder ir nesta data, reserve o dia 19 de dezembro, nos mesmos horários, para o segundo concerto.

Os bilhetes já estão à venda no site e na app da Fever e custam entram os 15€ e os 35€. O valor varia de acordo com a escolha da zona da sala.

As quatro opções variam entre a zona que permite uma maior visibilidade (A) ou uma visibilidade média (D). Os lugares são atribuídos à chegada.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]