Mãe é filmada a pontapear filha de 3 anos

A criança estaria demasiado cansada para tirar fotografias. A mãe já veio pedir desculpa no Weibo, uma rede social semelhante ao Twitter.

Niu Niu tem 3 anos é já faz algumas campanhas como modelo

Há mais um vídeo polémico a circular nas redes sociais e, neste caso, serve para denunciar um caso de abuso infantil. O vídeo foi filmado em Hangzhou, na China, e mostra a mãe de uma criança a pontapeá-la no rabo. A criança é apresentada no vídeo como Niu Niu, tem 3 anos e faz de modelo para várias campanhas para marcas. O mesmo vídeo já foi visto mais de 37 milhões de vezes.

Aparentemente, a criança estaria “demasiado cansada” para tirar fotografias, segundo o “The Sun”. Os utilizadores das redes sociais já se fizeram manifestar no Weibo, uma espécie de Twitter na China, e chamam às ações da mãe “abuso de menores”.

Depois da onda de críticas, a mãe de Niu Niu veio defender-se e desculpar-se publicamente: partilhou um pedido de desculpa através de uma conta chamada “NiuNiuMum”, no Weibo.

O pedido de desculpas da mãe de Niu Niu

“Não tinha intenção de abusar ou magoar a minha filha, e peço desculpa pelas minhas exageradas ações. Quero reiterar: a minha filha recebe muito amor e carinho. Obrigada pela compreensão”, escreve.

Em menos de quatro horas, o pedido de desculpas já teria mais de 50 mil comentários. “Estás a explorar a tua filha para fazeres dinheiro para ti. Não vales nada” ou “Vi este vídeo a meio da noite e enfureceu-me. Não és uma boa pessoa para ser mãe”, foram alguns dos comentários deixados na mesma publicação.

A advogada Wang Nan disse à mesma publicação: “Não é uma questão de se tratar de trabalho infantil, temos de olhar para a natureza do acontecimento. Está a causar algum transtorno à infância da criança? Está a afetar o seu direito à educação?”. Até agora não há relatos de que tenha havido alguma intervenção das autoridades, até porque na China não existe uma lei que impeça os pais de usar os filhos para ganhar dinheiro, avança o “Daily Mail“.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]