O bebé mais pequeno do mundo já está em casa

Após sete meses no hospital, o menino, que nasceu com 268 gramas, está finalmente em casa.

Pesava 268 gramas quando nasceu, o equivalente a menos de um bloco de manteiga.

Cabia nas mãos dos médicos, e chegou ao mundo após 24 semanas de gestação, depois de uma cesariana de emergência, em agosto do ano passado. O bebé — ainda sem nome conhecido — pesava 268 gramas, o equivalente a menos de um bloco de manteiga.

O recém-nascido do sexo masculino mais pequeno de sempre a sobreviver nasceu no Japão e foi autorizado a voltar para casa na quarta-feira, 20 de fevereiro, depois de estar internado no Hospital Universitário Keio, em Tóquio, durante sete meses.

Durante um exame às 24 semanas, os médicos repararam que o bebé não estava a crescer, e temiam que a sua vida estivesse em perigo. Segundo a “Kyodo News”, o bebé nasceu e foi mantido no hospital, enquanto os médicos conseguiram que respirasse sozinho e ganhasse peso. Tratado numa unidade de terapia intensiva neonatal, o bebé conseguiu chegar aos 3,2 quilos.

Os pediatras que trataram este bebé esperam que a história de sucesso dê esperança às famílias cujos filhos nascem muito pequenos ou muito cedo. “Quero que as pessoas saibam que os bebés podem voltar para casa com vigor, mesmo que nasçam pequenos”, disse Takeshi Arimitsu ao “Daily Mail“.

De acordo com o registo Tiniest Babies, da Universidade de Iowa, o ex-recordista de menor bebé do sexo masculino sobrevivente, era de um recém-nascido na Alemanha. Nasceu às 24 semanas, em 2009, a pesava apenas 274 gramas — mais seis gramas do que o bebé japonês.

Já a menina mais pequena a sobreviver — também da Alemanha — nasceu às 25 semanas, em 2015 e pesava apenas 252 gramas.

De acordo com o registo, apenas 23 bebés nasceram prematuramente com um peso inferior a 300 gramas e sobreviveram, dos quais apenas quatro eram meninos.

O registo junta informações de revistas médicas, relatos dos media e casos que foram relatados por um membro da família, juntamente com a verificação de um profissional de saúde.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]