Jason Kunselman tinha bilhete comprado para o lugar 2D num voo da American Airlines entre Orlando e Filadélfia. O engenheiro industrial de 46 anos regressava a casa depois de um projeto na Flórida, algo relativamente habitual no seu quotidiano — o norte-americano costuma voar quatro vezes por semana por questões profissionais, o que já lhe deu direito ao estatuto de viajante frequente.

Na fila para embarcar, Kunselman reparou em Kelsey Zwick e na filha de 11 meses, Lucy. “Ela tinha uma máquina de oxigénio para a filha. Não podia colocá-la sobre a cabeça, portanto tinha de a carregar o tempo todo. Fiquei emocionado ao ver a menina com o seu oxigénio”, contou Jason Kunselman ao “Daily Mail“. “Ela era tão pequena”.

Kelsey Zwick, o marido e as filhas gémeas

Kelsey Zwick estava a caminho do Hospital Infantil da Filadélfia com a filha. Lucy sofre de uma doença pulmonar crónica, resultado de complicações durante a gravidez. A bebé e a irmã gémea nasceram às 29 semanas, cada uma com pouco mais de dois quilos. Lucy ficou internada 100 dias, a irmã 86.

Jason Kunselman não conseguiu esquecer aquela família. Tanto que, à primeira oportunidade, pediu à assistente de bordo para trocar de lugar.

As bebés nasceram às 29 semanas

“Eu esperava vê-la na frente uma vez que tinha a máquina de oxigénio, mas quando embarquei estava na parte de trás. Perguntei à assistente de bordo se achava que a senhora com a bebé ficariam mais confortáveis no meu lugar”.

E assim foi. Quando a troca foi feita, Kunselman reparou que a mulher tinha lágrimas nos olhos. “Eu só queria que ela tivesse um voo melhor, com mais espaço”.

To the man in 2D. Today you were traveling from Orlando to Philly. I don’t know you, but I imagine you saw us somewhere….

Posted by Kelsey Zwick on Thursday, December 6, 2018

Kelsey Zwick ficou tão contente com o gesto do desconhecido que partilhou no Facebook o que tinha acontecido. “Para o homem do 2D. Hoje [6 de dezembro] estava a viajar de Orlando para a Filadélfia. Eu não o conheço, mas calculo que nos tenha visto em algum sítio. Eu estava a empurrar um carrinho, tinha uma bolsa de fraldas no meu braço e uma máquina de oxigénio para a minha filha.”

A norte-americana continua, explicando que iam a caminho do Hospital Infantil da Filadélfia. “Nós entrámos no avião, aconchegámo-nos no nosso lugar à janela e fizemos piadas para os que nos rodeavam sobre terem que se sentar ao lado de um bebé aos gritos. A assistente de bordo veio e disse-me que o senhor estava à espera para trocar de lugar. Estava a dar-nos o seu confortável lugar na primeira classe”.

A história do menino com cancro que pediu desculpa à mãe antes de morrer 

Kelsey Zwick respondeu ainda que mal pode esperar para que Lucy tenha idade suficiente para compreender este gesto. Desde a partilha, o post já recebeu mais de 650 mil gostos e foi partilhado quase 415 mil vezes.

O estranho do 2D que cedeu o lugar

A companhia aérea também respondeu à história. Em comunicado, um porta-voz da American Airlines disse: “Agradecemos a gentileza do senhor do 2D. Conseguimos ligar estas duas pessoas, e a nossa equipa está a tentar chegar até ele para agradecer o gentil gesto. Nas palavras de Kelsey, também queremos prestar-lhe o nosso apreço e gratidão”.

O encontro entre o viajante do 2D e a mãe da bebé aconteceu este fim de semana. A companhia aérea conseguiu colocar os dois estranhos em contacto e, através de uma mensagem privada, Kelsey disse-lhe: “Obrigada. O mundo claramente precisava da sua gentileza”.