Homens devem ter filhos antes dos 35 anos

É a conclusão de um estudo que garante que a idade paterna também tem impacto na saúde do bebé.

A explicação pode estar nas mudanças que acontecem no ADN do esperma à medida que os homens envelhecem

Katie Emslie/Unsplash

A ciência já provou que a idade da mulher é importante no momento de decidir ter um filho. Não existem números determinantes, mas a partir dos 35 anos os óvulos entram em processo de envelhecimento — o que pode trazer problemas durante a gestação ou até problemas de fertilidade. Agora, um novo estudo vem provar que a idade do homem também é relevante. E pode comprometer a saúde do recém-nascido.

Publicada no British Medical Journal, a investigação da Universidade de Stanford analisou 40 milhões de bebés nascidos na Califórnia entre 2007 e 2016 — e concluiu que o risco de complicações no parto começa a aumentar quando os pais chegam aos 35 anos.

O jogo de probabilidade complica-se ainda mais a partir dos 45 anos. Segundo o estudo, as percentagens são significativas.

— 14% dos bebés estão mais propensos a nascer prematuramente, ter baixo peso ou ser admitido em terapia intensiva neonatal;
— 10% sofre o risco de desenvolver problemas respiratórios;
— 18% de convulsão;
— 28% de diabetes gestacional.

Se o pai tivesse 50 anos ou mais, os números eram ainda mais assustadores.

— 10% mais probabilidade de precisar de ventilação;
— 28% de precisar de cuidados intensivos.

“Nós tendemos a olhar para os fatores maternos na avaliação dos riscos associados ao nascimento”, explicou um dos investigadores, Michael Eisenberg. “Mas este estudo mostra que ter um bebé saudável é um trabalho de equipa, e a idade do pai também contribui para a saúde do bebé”.

O estudo concluiu ainda que os filhos de homens acima dos 45 anos nascem, em média, um dia antes e pesam 20 gramas menos do que as que têm pais mais novos.

A explicação para estes resultados pode estar nas mudanças que acontecem no ADN do esperma à medida que os homens envelhecem. A cada ano, acumulam-se duas novas mutações de ADN.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. martamiranda@magg.pt