Estamos em pleno agosto e só há uma forma de aproveitar os fins de semana e feriados: ir à praia. Ou à piscina. Ou enfiar-se num centro comercial para aproveitar os ares condicionados e sobreviver às temperaturas demasiado altas. São tudo boas opções, mas só uma destas tem efeitos positivos cientificamente comprovados.

A MAGG reuniu seis estudos que demonstram as vantagens físicas e psicológicas de ir à praia. Muito além da importância da vitamina D, já amplamente discutida, a ciência já provou que o azul nos tranquiliza e que a luz do sol ajuda a reduzir os níveis de stresse. Mas há mais. Contamos-lhe tudo.

O azul tranquiliza-nos

Estudos comprovam que as cores podem despertar diferentes efeitos físicos, psicológicos e emocionais. O azul está associado à calma, relaxamento, tranquilidade. De acordo com uma investigação realizada pela Universidade da Colúmbia Britânica, o azul também ajuda a aumentar a criatividade.

Sinta a areia entre os dedos dos pés

Só tem benefícios, de acordo com várias estudos. A explicação está na carga elétrica natural da Terra: quando andamos descalços estamos em contacto com a energia natural do planeta, havendo uma troca de energias que equilibra o nosso organismo. Além disso, a areia molhada também atua como um excelente esfoliante natural, deixando a pele renovada e mais macia.

A luz do sol tem muitos benefícios

Um estudo conduzido pelo Baker Heart Research Institute em Melbourne, Austrália, descobriu que a quantidade de luz solar que apanhamos afeta diretamente o nosso humor. Em quantidades maiores, os níveis de serotonina aumentam, o que tem um efeito direto no stresse, sono e apetite.

Também faz bem ao corpo

Comparando com um passeio no jardim ou no paredão, andar na areia requer entre 1,6 a 2,5 mais esforço, concluiu uma investigação publicada no Journal of Experimental Biolgoy.

O simples facto de viver perto da praia já é positivo

Um estudo realizado pela Universidade de Exeter, no Reino Unido, comprovou que a praia reduz o stresse e estimula as pessoas a praticarem exercício. Os cientistas perceberam ainda que quem morava perto da costa era mais saudável e vivia mais tempo.

A praia tem efeitos reparadores

A conclusão foi de um trabalho publicado no Journal of Environmental Psychology. O autor principal, J. Aaron Hipp, explicou: “Estudos mostram que ambientes naturais como praias e parques oferecem efeitos mais reparadores do que os ginásios, locais de entretenimento e o ambiente urbano”. As condições específicas do ambiente à beira-mar são ainda mais vantajosas.