Os fatos de banho são tendência. Mas também há biquinis giros, há crop tops, há vestidos justos e, claro, há a auto-estima. A par de uns glúteos (que se querem definidos), a barriga é a zona do corpo que mais frustrações levanta e mais trabalho dá.

A acumulação de gordura nesta zona do corpo é muito comum, mas também é possível que estejam outros fatores na origem do volume. É possível que sinta as calças apertadas pela acumulação de gases, pela obstipação intestinal, pela retenção de líquidos ou devido a uma más digestões frequentes.

Mas concentre-se nisto: o corpo funciona como um todo. Está tudo ligado: uma dieta com maus hábitos e com os alimentos errados está na origem de uma barriga com gordura, mas também é quase sempre a génese de desequilíbrios no organismo que darão origem a estas condições que resultam em inchaço e proeminência abdominal.

“Estão todos encadeados”, diz Lillian Barros, a nutricionista — autora do blogue “Santa Melancia” — que deu à MAGG algumas ferramentas para ter uma barriga mais lisa, evitando estas reacções. “A alimentação saudável não passa só por pequenos truques. Tem de ser vista como um todo. De manhã à noite.”

O que têm em comum as dietas que resultam em emagrecimento

Como evitar a acumulação de gases

“Quem tem acumulação de gases deve evitar alimentos com potencial para uma fermentação exagerada nos intestinos”, explica. Os responsáveis são alguns dos alimentos que as nutricionistas mais aconselham: além do leite de vaca (o de cabra é bem tolerado), deve evitar as leguminosas e os vegetais crucíferos, onde se inserem, por exemplo, a couve-flor, a couve-de-bruxelas, repolho ou brócolos.

Como solução, deverá apostar em soluções que devolvam o equilíbro da família de bactérias do intestino. Além de uma alimentação equilibrada (muito importante), a nutricionista sugere a ingestão de probióticos [bactérias e leveduras que agem na flora intestinal], presentes no kefir, por exemplo, ou em suplementos — que devem ser sempre ingeridos mediante aconselhamento médico. “O funcho e erva doce também ajudam”, explica, fazendo referência a infusões, em que basta misturar estas ervas com água.

Depois de começar a comer bem e a apostar nestas sugestões, é provável que deixe de acumular tantos gases — e que possa voltar a ingerir brócolos e couves. “Depois de normalizar, devem reeintroduzir-se estes alimentos e estar atento à resposta do organismo.”

Como combater a obstipação intestinal

Afaste-se de alimentos refinados. Evite o arroz, a bebida de arroz ou a banana porque estes prendem os intestinos. A sua alimentação deverá incluir mais alimentos integrais (aveia, pão escuro, quinoa, por exemplo), frutas e vegetais, porque são ricos em fibras, um micronutriente com um papel fundamental na regulação intestinal.

“Frutas como papaia, kiwi, laranjas, ameixas ou figos são muito interessantes do ponto de vista intestinal, pela composição em fibras solúveis e não solúveis. Têm efeito laxante e colocam o intestino a funcionar”, diz. “As sementes de linhaça também são um bom alimento porque, além da fibra, são ricas em ácidos gordos essenciais.”

Como evitar a acumulação de gordura

Estava à espera de chegar a este ponto? Adiantamos-lhe: não há receitas e infusões que tratem deste problema. Enquanto os gases, a retenção de líquidos ou a obstipação intestinal são condições concretas, “a perda de peso só se consegue com uma dieta equilibrada, que permita fazer uma reeducação alimentar”, em que se “perde peso, pela perda de gordura acumulada.”

Da mesma maneira que, quando engordamos, não escolhemos a zona do corpo onde a gordura se acumula, o mesmo acontece quando o perdemos. Mas, aquilo que tende a acontecer é que se reduz o volume nas zonas onde há mais tendência para aumentar. Se o seu tendão de Aquiles é a barriga então é provável que seja aí que comece a emagrecer mais: “Com uma perda de peso coerente e saudável, perde-se gordura nos locais onde ela se acumula”, diz.

Afaste-se dos alimentos processados, “ricos em gorduras de má qualidade, como as trans ou hidrogenadas.” Reduza drasticamente a quantidade de açúcar adicionado e cuidado com o excesso de sal.

Dieta. A primeira semana de um plano alimentar (para não falhar e não desistir)

Retenção de líquidos

E se falamos em sal, aproveitamos para referir a retenção de líquidos, tão comum nas mulheres e potenciado por este ingrediente. Esta condição, que nasce da acumulação de líquido, combate-se, acima de tudo, através da ingestão de água — e através do cuidado com aquilo que come. Acontece sobretudo com os membros inferiores, mas também pode afetar a barriga.

“O primeiro passo para tratar a retenção de líquidos é começar a beber mais água. Depois, pode apostar-se em infusões que, além de hidratarem, contribuam na drenagem, como é o caso das de cavalinho, de hibisco ou dente de leão, que ajudam a desinchar”, diz. Comece o dia com uma destas bebidas (em que basta misturar o ingrediente em água) e veja os resultados. “São ervas medicinais que, pela sua composição, são diuréticas e drenantes, por ativarem as vias urinárias e ajudarem a expelir a água em excesso.”

Para reduzir a quantidade de sal, a nutricionista sugere uma leitura atenta dos rótulos, bem como soluções mais equilibradas, como sal marinho, dos himalaias ou até salicórnia. As ervas aromáticas também são uma excelente ferramenta, por terem sabores intensos.

Ervas aromáticas. Como tirar partido das plantas que dão sabor à comida?

“Pode também fazer-se uma mistura em que se usam três partes de sal para nove de especiarias, que faz com que, ao temperar a carne, peixe ou salada, usemos um terço do sal, com o triplo do sabor.”

Como evitar as más digestões

“Temos más digestões por alterações do nosso equilibrio. Quando tratamos mal do organismo, podemos criar um défice de enzimas”, explica Lillian Barros, sobre as causas de uma má digestão.

Farto de ler que a solução é alterar os seus hábitos alimentares? Pois, mas esta é mesmo a mais eficaz. Mas se costuma sentir azia e enjoou depois de comer, há três ingredientes que podem ajudar o corpo a digerir a comida, sobretudo quando se tratam de pratos mais pesados: o gengibre, o ananás e a papaia.

“O ananás tem uma enzima que é a bromelina que ajuda a digerir depois das refeições mais elaboradas. A papaia tem a papaína, que é outra enzima, que tem o mesmo efeito.”

Pode optar por incluir estes alimentos no prato principal ou ingeri-los como sobremesa. Adicione o gengibre aos seus cozinhados. Além de ser um ótimo ingrediente para diminuir a quantidade de sal, pelo sabor intenso, é ainda conhecido pelas suas funções medicinais, onde se insere uma melhor digestão.