Os 10 esquemas mais usados para o roubar ou enganar no aeroporto

O Aeroporto de Palma de Maiorca, em Espanha, revelou os esquemas mais populares — do taxímetro estragado aos carteiristas e hackers.

Não corra riscos e nunca deixe de vigiar a sua bagagem

Michal Parzuchowski / Unsplash

Apesar de as condições meteorológicas nos fazerem crer que estamos algures em janeiro, o verão está quase aí — e as férias da grande maioria dos portugueses também. Mas se não quer começar estes tão aguardados dias de ócio e descontração da pior maneira, é melhor ter cuidado nos aeroportos. O Aeroporto de Palma de Maiorca, em Espanha, revelou os 10 esquemas mais comuns para enganar e roubar os turistas, que podem ir de roubos de bagagem até à instalação de um vírus no seu telemóvel.

O empata do raios-X

A fila de segurança do aeroporto é um dos locais mais procurados por quem pretende enganar os turistas. O truque da manobra é trabalhar em dupla, com um dos elementos a empatar a fila do raios-X, enquanto o outro, na ponta oposta do tapete, rouba os pertences antes que o proprietário possa chegar até eles.

Para garantir que isso não acontece, os viajantes devem ficar atentos às suas coisas enquanto elas passam no tapete e, caso denotem algo suspeito, devem alertar um segurança imediatamente.

O elemento de distração

Num esquema semelhante ao anterior, os ladrões tentam distrair os turistas numa tentativa de afastá-los das suas malas. Quando isso acontece, um cúmplice pega rapidamente nas bagagens não vigiadas, principalmente quando se apercebem que se tratam de malas com objetos importantes, de documentos a computadores. Os especialistas em segurança sugerem que nunca guarde todos os seus objetos de valor num lugar só.

Internet “grátis”

A maioria dos aeroportos disponibiliza wi-fi gratuito para que os passageiros possam verificar os seus emails ou redes sociais. No entanto, existem algumas redes inseguras e criadas por hackers, o que significa que, ao aceder a estas, os piratas informáticos passam a ter acesso aos seus dispositivos, podendo roubar informações pessoais, como detalhes e senhas de contas bancárias.

Os encontrões do tapete rolante

O tapete rolante das bagagens é outro local privilegiado pelos ladrões e, neste cenário, os turistas devem ter cuidado para não serem vítimas do truque “colisão e corrida” — quando um ladrão bate em alguém e rapidamente se desculpa, roubando a carteira do dono enquanto este está distraído.

Por mais cansado ou impaciente que esteja no final de uma viagem, deve certificar-se de que seus objetos de valor estão guardados em segurança e que está atento aos mesmos, bem como manter os olhos no tapete rolante para identificar rapidamente as suas malas.

O “ajudante” com más intenções

Ao viajar com muita bagagem, pode ser abordado por um individuo pronto para o ajudar com as malas. Mas esse gesto, simpático à primeira vista, pode ser um esquema para lhe extorquir dinheiro.

Muitas vezes, os “ajudantes” recusam-se a devolver a bagagem aos passageiros se estes não lhes pagarem uma quantia em dinheiro. Caso necessite mesmo de ajuda com as malas, peça-a apenas aos funcionários do aeroporto dedicados a essa função.

O carteirista

Com a maioria dos turistas com carteiras, telemóveis e passaportes à mão, estes tornam-se num alvo fácil para os carteiristas, à espreita para roubar os viajantes num momento de distração.

Os especialistas em segurança sugerem que as bolsas estejam bem fechadas, sem nada de valor em bolsos externos facilmente alcançáveis, que as mochilas sejam usadas viradas para a frente no peito (e não nas costas) e que prefira os bolsos interiores de casacos, junto ao corpo, para guardar documentos, carteiras e objetos de maior valor.

O esquema dos telemóveis

Apesar de o roaming de chamadas ter terminado nos países da União Europeia, as taxas em outros países continuam escandalosas, o que faz com que alguns viajantes optem por não usar o seu telemóvel pessoal e preferiram alugar um telefone no país de destino.

Algumas lojas de telecomunicações e fornecedores anunciam que devolvem o depósito de segurança quando o telefone for devolvido, mas tal nem sempre corresponde à verdade — existem fornecedores fictícios que escondem dos clientes cobranças extorsivas.

Os fornecedores devem ser tratados com cautela, pesquisando previamente a credibilidade dos mesmos. É também aconselhado que evite os telefones públicos que debitam diretamente do cartão de crédito.

Boas-vindas enganosas

Se tiver reservado diretamente com o seu hotel um transfer, é possível que, à chegada, veja mais do que um cartaz com o seu nome escrito — estes impostores, além de pretenderem roubar o serviço à empresa contratada, vão provavelmente cobrar uma taxa bastante mais elevada.

Para evitar cair no esquema, peça para o motorista confirmar mais dados pessoais além do nome do cartaz, como o código da reserva do hotel, por exemplo.

O vírus do bluetooth

A maior parte das pessoas esquece-se de desligar o bluetooth dos seus telemóveis, principalmente quando liga o “modo” férias e deixa o stresse em casa. Mas é importante que o faça — se o seu smartphone estiver com esta função disponível, os hackers podem facilmente ligar-se ao aparelho ainda no aeroporto, roubar informação ou instalar um vírus.

O taxímetro avariado

Quase que apetece perguntar “quem nunca?”. O esquema dos taxímetros avariados, em que no final da viagem o taxista revela aos clientes que o aparelho não funciona e, assim sendo, irá cobrar um preço estimativo (muito mais elevado do que seria de esperar) é, infelizmente, comum. Para evitar ser vítima deste esquema, combine de imediato o preço com o motorista antes de iniciar viagem.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. catarinaballestero@magg.pt