Beber um copo de água com limão em jejum tornou-se numa das tendências fit mais divulgadas dos últimos tempos. É um truque antigo, mas que se tem tornado cada vez mais popular por causa dos seus benefícios. Seja para perder peso, purificar o sangue, equilibrar o ph, para ficar com uma pele mais bonita ou simplesmente porque a Gisele Bündchen também o faz, será que isto funciona mesmo? A MAGG falou com a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida para descobrir todos os seus benefícios, as coisas menos boas que isto possa ter e perceber o essencial: afinal, este hábito serve exatamente para quê?

Fortalece o sistema imunitário? Verdade.

Rico em vitamina C, o limão é ideal na luta contra as gripes. Além disso é, também, rico em potássio, que estimula o cérebro, a função nervosa e controla a pressão arterial. Tem um efeito antibacteriano e antivirótico: por ser uma bebida alcalina, atua como antibiótico natural e detém o avanço de infeções internas.

Como explica Mafalda, “a água com limão tem vitamina C, o que fortalece o sistema imunitário e previne uma série de doenças como as alergias, infeções fúngicas e bacterianas e, basicamente, tudo o que tem a ver com o sistema imunitário.” O ácido ascórbico (vitamina C) encontrado nos limões tem efeitos anti-inflamatórios e também pode ser utilizado como apoio complementar para problemas como a asma e outras doenças respiratórias. Além disso, ajuda em casos de anemia e em caso de necessidade de suplementação de ferro, uma vez que aumenta a absorção desse mineral pelo organismo — uma peça fundamental na função imune do corpo humano.

Ajuda na digestão? Verdade.

A sua composição atómica é idêntica à da saliva e à do ácido clorídrico dos sucos digestivos, por isso, o limão estimula o fígado a produzir bílis, ácido essencial na digestão. Assim, “a água com limão morna vai ajudar a estimular o trânsito intestinal e os movimentos peristálticos do estômago: é digestivo e beber em jejum ajuda a preparar o estômago para o pequeno-almoço”. As suas qualidades digestivas ajudam a aliviar os sintomas de indigestão, como o ardor no estômago, os arrotos e a distensão abdominal, pois ele pré-digere alimentos densos como hidratos de carbono complexos, proteínas e gorduras.

A nutricionista explica que “a melhor forma é bebê-lo em jejum, porque vai ajudar na digestão ao longo do dia. Deve ser tomado diariamente, especialmente para pessoas com digestão difícil. A única contraindicação é que, para pessoas com gastrites, que não se dão bem com nenhum tipo de alimento ácido, pode provocar mal-estar”.

Um dos mitos sobre o limão é que ele dá energia, mas Mafalda responde: “Não diria que ele dá energia: é mais pela questão da limpeza do organismo que a pessoa não se sente tão enfardada porque a digestão é mais fácil, então acaba por, indiretamente fazê-la sentir-se bem”.

É diurético? Sim, mas não emagrece

O sumo de limão ajuda a eliminar os materiais e toxinas indesejadas do nosso corpo porque, em parte, aumenta a quantidade de vezes que vamos à casa de banho. Por isso, ao beber sumo de limão, as toxinas são libertadas a um ritmo mais rápido, o que ajuda a manter a saúde dos intestinos. O ácido cítrico também ajuda a maximizar a função da enzima que estimula o fígado e ajuda na desintoxicação, ou seja, devido à sua acidez, ele promove o bom funcionamento do intestino e, por isso, ajuda no combate à obstipação. No entanto, a nutricionista esclarece que “a água com limão sozinha é diurética, mas não emagrece”.

Desintoxica e hidrata a pele? Verdade.

Mafalda explica que, “por causa da vitamina C, o limão ajuda na estimulação e produção de colagénio e desintoxicação e hidratação da pele”, além de ajudar a rejuvenescê-la. Ela também é vital para a luminosidade da pele, ao mesmo tempo que a sua natureza alcalina mata alguns tipos de bactérias conhecidas por causar o acne. Também pode ainda ser aplicado diretamente nas cicatrizes ou sinais para melhorar o aspeto da pele, além disso, como o sumo de limão  elimina toxinas do sangue, pode ajudar a prevenir manchas de dentro para fora.

É alcalinizante: estabiliza o ph do sangue

O que faz do limão um alimento especial e diferente de todos os outros que contêm vitamina C, é que é um dos alimentos com mais propriedades alcalinas. Contém ácidos cítricos e ascórbicos que são ambos facilmente metabolizados pelo organismo, permitindo aos seus componentes minerais melhorarem os níveis alcalinos do organismo — porque normalmente as doenças ocorrem apenas quando o ph do corpo está ácido.

E, por outro lado, a laranja é pouco ou nada alcalinizante, mesmo tendo os mesmos ácidos, dado que o seu alto teor de açúcar (que é acidificante) cancela a alcalinidade dos minerais que ela contém. O mesmo acontece com outros frutos que contenham alto teor de açúcar. “O limão é mais benéfico porque, apesar de ter um gosto ácido, a sua metabolização é básica, o que ajuda a equilibrar o ph do sangue. No caso da laranja é precisamente o contrário: a metabolização é ácida, o que acidifica o sangue e o torna mais vulnerável do ponto de vista imunológico, ou seja, vai ter o efeito contrário do limão”, explica a nutricionista.

Quanto aos mitos sobre este fruto, Mafalda explica que “há quem diga que ao beber o sumo de limão o ácido pode degradar o esmalte, mas isso não é verdade, porque tudo o que nós consumimos que tenha muito açúcar tem quantidades de ácido muito maiores, portanto não é isso que vai fazer com que o limão seja pior”.  Por isso, beber ou não, com uma palhinha, não faz grande diferença. Não há uma quantidade certa mas, o recomendado, é um copo de água, de 250 ml com sumo de um limão, todos os dias.