É mais um daqueles casos em que a realidade (quase) imita a ficção. No blockbuster de 2015, “Mad Max: Estrada da Fúria”, Max (interpretado pelo ator Tom Hardy) é aprisionado e retiram-lhe sangue para curar um guerreiro doente. É claro que no filme isto é passado num deserto pós-apocalíptico mas a mesma ideia base está a passar-se neste exato momento nos Estados Unidos da América.

A empresa Ambrosia, uma start-up norte-americana com instalações em Tampa e São Francisco, promove tratamentos com recurso a transfusões de sangue para retardar o processo de envelhecimento. “O sangue jovem é uma excitante nova terapia que mostra promessas no que diz respeito ao processo de envelhecimento e também no retrocesso de danos causados pela doença de Alzheimer. Os nossos pacientes já demonstraram melhorias na qualidade da pele, bem como aumento de energia e memória”, pode ler-se no site oficial da empresa, que acrescenta que os tratamentos são ambulatórios e demoram cerca de duas horas.

De onde vem o sangue?

O sangue vem maioritariamente de adolescentes, sendo que o requisito é que pertença a indivíduos com 25 anos ou menos — mas os jovens podem não saber exatamente para que fins o sangue está a ser usado, dado que a empresa adquire o seu fornecimento através de bancos de sangue, que também o vendem a laboratórios farmacêuticos.

As pessoas não querem viver mais

De acordo com declarações de Jesse Karmazin, médico formado na Stanford Medical School e fundador da Ambrosia, na Code Conference (uma conferência de âmbito tecnológico) em junho de 2017, a empresa não promete acabar com os efeitos do envelhecimento. Porém, Karmazin afirmou que pretende recrutar centenas de pessoas para estudar se as transfusões podem tratar sintomas associados ao processo de envelhecimento.

O fundador acrescentou também que quem já se submeteu a estas transfusões observou efeitos positivos e não reportou negativos. As transfusões de sangue podem acarretar diversos riscos, incluindo reações alérgicas.

Não é para todos as bolsas

Na mesma conferência, Jesse Karmazin comunicou que cerca de 100 pessoas já se tinham inscrito para receber estes tratamentos. No entanto, estes não estarão ao alcance de todas as pessoas: também no site oficial da empresa podemos verificar que os tratamentos começam nos 8.000 dólares, o que corresponde aproximadamente a 6.500 euros.

Apesar de ainda não existir qualquer base científica que suporte esta pesquisa e consequentes tratamentos, o caso está a causar bastante polémica nos EUA, e circularam vários rumores a ligar nomes fortes na área da tecnologia e Sillicon Valley à empresa.

O fundador da Ambrosia declarou que qualquer pessoa acima de 35 anos pode tornar-se seu cliente, mas que a maior parte dos indivíduos que já tinham ou estavam para receber as transfusões se encontram na idade da reforma.