Comer uma refeição de qualidade por menos de 5€, constituída por alimentos que, de outra forma, acabariam no lixo. Com a criação da nova aplicação Too Good To Go, que chega esta terça-feira, 29 de outubro, a Portugal, junta-se o útil ao sustentável. E é de lhe dar as boas-vindas: é que em Portugal, todos os anos, é desperdiçado um milhão de toneladas de comida e todos os dias são deitadas no lixo 50 mil refeições.

Disponível na App Store e na Google Play gratuitamente, o conceito já está instalado em 12 países europeus — como a Noruega, a Holanda, a Alemanha, o Reino Unido e a França —, sendo Portugal o 13.º a aderir. Mas como é que funciona?

“O consumidor compra [na aplicação] o número que quer de Magic Boxes e vê qual é o horário de recolha. Portanto, pode comprar em qualquer altura, mas só pode recolher na hora que está descrita pelo estabelecimento”, explica à MAGG Madalena Rugeroni, country manager da Too Good To Go em Portugal.

4 fotos

Deve estar a perguntar-se o que é a Magic Box. Como o nome indica, é uma caixa surpresa onde vem a refeição com alimentos que sobraram nos restaurantes, hotéis ou supermercados, disponíveis na app e que o utilizador pode escolher. “O consumidor não sabe exatamente os alimentos que vai receber, nem as refeições, mas consegue ter uma ideia através do tipo de estabelecimento que selecionou”, refere Madalena.

Por isso, se pedir comida de um restaurante japonês, é provável que receba uns rolos de sushi ou um temaki. Mas caso prefira comprar uma Magic Box num restaurante vegan, já sabe que só leva para casa alimentos de origem vegetal.

Como é que as Magic Boxes ajudam a salvar o planeta?

Desde que surgiu em 2016 na Dinamarca, a Too Good To Goo já conseguiu evitar mais de 58 mil toneladas de CO2 na atmosfera e conseguiu salvar mais de 23 milhões de refeições. Já avançámos o número de comida desperdiçada em Portugal, mas reforçamos: anualmente, desperdiçamos um milhão de toneladas de comida e todos os dias são deitadas no lixo 50 mil refeições. Mais uma vez: 1 milhão por ano. 50 mil por dia.

Além da refeição sustentável, os consumidores podem ir mais longe e ajudar o planeta na hora de recolher a comida nos estabelecimentos. “Na aplicação, aconselhamos a que as pessoas levem o seu próprio recipiente. Aqui o objetivo é combater o desperdício em todos os aspetos”, refere Madalena.

Na carteira também se poupa

Além das vantagens sustentáveis, aderir ao serviço é também uma forma de reduzir os custos do orçamento de casa, garante Madalena Rugeroni: “Quando o utilizador paga o valor de uma MagicBox, normalmente, vai receber três vezes mais o valor em comida. Ou seja, se eu pagar 2,99€, vou receber 10€ em comida. Daí ser também ótimo para o utilizador, no sentido em que vai ter comida de qualidade a um preço muito mais baixo.”

A mesma refere que os preços dependem de mercado para mercado, mas que em Portugal estes oscilam entre os 2€ e os 5€.

Com preços tão baixos, esta parece a solução ideal para toda a gente, certo? “Não, por várias razões. A primeira é porque nós funcionamos com o conceito de Magic Box e as pessoas não sabem o que vão consumir. Portanto, se me apetecer mesmo um bife com batatas fritas, tenho de ir ao restaurante. Não consigo saber se vou receber isso na Magic Box.”

Kitchen Dates. Vem aí o primeiro restaurante sem lixo do País

Além disso, a limitação do horário em que o consumidor pode recolher uma caixa que comprou na app Too Good To Goo também tem influência na opção dos consumidores. Se um dia comem uma refeição que evita o desperdício de alimentos, no outro podem ir ao supermercado e comer um bolo especifico que lhe apeteça.

Para já, a marca conta com mais de 50 parceiras, entre as quais está o Cotidiano, o Sushi at Home, o Eight Health Lounge e o Copenhagen Coffee Lab.

O futuro da Too Good To Go também é uma Magic Box

“Neste momento só lançámos em Lisboa, mas rapidamente vamos crescer para outras cidades. Num ano devemos estar nas principais cidades de todo o País e a próxima será o Porto, mas ainda não sabemos quando iremos lançar”, prevê a country manager.

Madalena Rugeroni, country manager da Too Good To Go em Portugal

Vasco Passanha

Apesar de o futuro ser incerto, Madalena Rugeroni diz que o crescimento é palavra de ordem, quer no número de estabelecimentos, quer de utilizadores. “A nossa missão é conseguirmos ter um mundo em que toda a comida que é produzia seja consumida”, finaliza Madalena, que sonha com um mundo onde não haja desperdício alimentar.