Depois de perder “The Office” e “Friends”, duas das séries mais vistas da Netflix em 2018, a plataforma garantiu a exclusividade dos direitos de transmissão de “Seinfeld”, a icónica sitcom americana criada por Jerry Seinfeld e Larry David, que muitas fãs dizem ser “sobre nada” (numa referência a um episódio da série).

A notícia foi avançada esta segunda-feira, 16 de setembro, pela revista “Deadline” que escreve que esta é a primeira vez que “os 180 episódios da sitcom vão estar disponíveis num serviço global e em resolução 4K”. O negócio acontece cinco anos depois de, em meados de 2015, a Netflix ter rejeitado a compra da série para apostar em “Friends”.

Após a recusa, “Seinfeld” foi comprada pela Hulu num contrato assinado por cinco anos e cujo valor rondava os 117 milhões de euros por ano.

Segundo escreve a mesma publicação, a Sony (que é quem detém os direitos de transmissão de “Seinfeld”), fez um novo pitch a plataformas como Netflix e a HBO MAX — mas sem nenhum valor de entrada estabelecido.

Guerra de Séries #2. Como é que alguém gosta de “Friends” quando existe “Seinfeld”?

Ainda assim, a ideia era que a Sony conseguisse um negócio com valores semelhantes àqueles que a Netflix pagou por “Friends” em 2015 — cerca de 108 milhões de euros por ano (durante cinco anos). A esse valor, acresceram ainda os 90 milhões de euros para garantir que a sitcom se mantinha em catálogo até ao final de 2019.

Em Portugal, todos os episódios de “Seinfeld” estão disponíveis na Amazon Prime Video mas espera-se que a partir de 2021 comecem a surgir alterações para respeitar as diretrizes do novo negócio feito pela Netflix — que fontes próximas de ambas as empresas dizem ser muito superior àquilo que a Hulu paga atualmente.

Além de “Seinfeld”, a Netflix já tinha contrato assinado com Jerry Seinfeld para dois espetáculos de stand-up e a série “Comedians in Cars Getting Coffee”.