A 14 de setembro de 1984, a primeira cerimónia de prémios MTV Video Music Awards realizou-se no Radio City Music Hall, em Nova Iorque. Uma Madonna vestida de noiva punk com um vestido branco e acessórios brilhantes, a cantar “Like A Virgin”, deu o mote para aquela que é considerada uma das noites mais importantes na indústria musical.

Este ano, a cerimónia mudou de local e rumou até New Jersey. Esta segunda-feira, 26 de agosto, os nomes mais sonantes do momento reuniram-se no Prudential Center para premiar artistas, canções e vídeos.

Missy Elliott foi a grande vencedora da noite ao aceitar o Prémio Vanguarda – que muita gente acredita ter pecado apenas pela demora. Ariana Grande e Taylor Swift tinham o mesmo número de nomeações, mas foi Swift que arrecadou o prémio de Vídeo do Ano com a canção “You Need to Calm Down”.

MTV VMAs 2019. Ariana Grande venceu Cardi B e é a Artista do Ano

Numa noite que não foi particularmente memorável, houve discursos e atuações que não deve deixar de ver e outros que pecaram com piadas sem jeito e performances sem graça.

Os melhores momentos

A atuação de Taylor Swift

Em 2019, Swift teve a honra de abrir a cerimónia e escolheu fazê-lo com dois temas do novo álbum: “You Need to Calm Down” e “Lover”. A primeira canção, um hino à aceitação, arrancou com muita cor, muitos dançarinos e com direito a um arco-íris gigante. Depois da explosão de cores, a cantora interpretou o segundo tema em acústico num cenário bem mais discreto. A atuação de Taylor Swift gerou consenso: foi mesmo uma das melhores da noite.

O épico final da atuação de Lizzo 

Tal como Taylor Swift, Lizzo escolheu apresentar dois temas na cerimónia: “Truth Hurts” e “Good as Hell”. A atuação foi uma clara homenagem ao poder da mulher, mas o que arrancou verdadeiros aplausos foi o seu final. Rodeada de mulheres, Lizzo fez um discurso que arrancou todos das cadeiras.

“Estou farta desta treta. Eu não preciso de saber a vossa história para saber que também estão fartas desta treta. É tão difícil amarmo-nos num mundo que não nos ama de volta”, disse. “Por isso, quero aproveitar esta oportunidade para me sentir bem comigo própria. Porque vocês merecem sentir-se bem com vocês próprias”. Este pequeno discurso levou o público ao delírio, levando-os a aplaudir, a cantar e a dançar.

John Travolta goza com ele próprio

Queen Latifah e John Travolta apresentaram juntos o prémio para Vídeo do Ano e o momento gerou gargalhadas. O ator leu o nome do vencedor e disse entre risos: “Eu não devia fazer isto porque vou pronunciar mal o nome”. Travolta referia-se à cerimónia dos Óscares em 2014, onde pronunciou erradamente o nome da atriz Idina Menzel. Para além do público, Queen Latifah também não conteve o riso.

Os piores momentos

O monólogo sem piada do apresentador

Depois de em 2018 não ter havido apresentador, a edição deste ano contou com o comediante Sebastian Maniscalco. O monólogo inicial não caiu bem junto da crítica: as piadas foram consideradas bizarras e não particularmente engraçadas. Uma delas brincava com o facto de a sociedade sentir-se “provocada e ofendida” por tudo e por nada, e que, por causa disso, a MTV oferecia um “espaço seguro” a quem se sentisse assim nos bastidores. A piada foi altamente criticada por se saber que a maioria do público que assiste ao evento é menor de idade.

A atuação de Shawn Mendes e Camila Cabello

Venceram o prémio de Melhor Colaboração com “Señorita”, e apresentaram uma atuação no mínimo muito quente. Num cenário romântico, com luz baixa, rosas e o que pareciam velas, os artistas pareciam muito cúmplices e a certo momento chegou a pensar-se que iam confirmar (finalmente) a relação dos dois.

O público esperava um beijo. Ele não aconteceu e os fãs ficaram dececionados.

A atuação futurista e o playback de Lil Nas

Lil Nas e Billy Ray Cyrus levaram para casa o prémio para Canção do Ano com o tema “Old Town Road”. Era, por isso, esperado que a atuação do rapper passasse pelo tema vencedor — mas isso não aconteceu. Em vez disso, o rapper passou um mini-remix da música de sucesso com Billy Ray Cyrus e segundos depois avançou para uma nova canção, “Panini”. A atuação futurista não resultou e o playback muito fraco foi notado pela crítica.