Depois de perder um glaciar, a Islândia deixa uma lápide como alerta

O glaciar Okjökull foi declarado extinto em 2014. Atualmente, há cerca de 400 glaciares em risco de desaparecer em todo o país.

Este monumento serve para reforçar que sabemos o que está a acontecer e tudo o que devemos de fazer para o evitar", é a mensagem deixada pelos especialistas

Getty Images/Flickr Open

A Islândia prepara-se para, pela primeira vez na história do país, fazer um funeral a um glaciar. O glaciar Okjökull foi declarado extinto em meados de 2014 por vários especialistas, mas só agora é que vai ser posta uma lápide na área que ocupava. O objetivo é assinalar o seu desaparecimento e consciencializar as novas gerações para a problemática das alterações climáticas.

“O Okjökull não tinha uma massa de neve e gelo suficiente para que pudesse mover-se com sucesso, por baixo de todo o seu peso”, revelou Cymene Howe, professora de Antropologia da Universidade de Rice, dos Estados Unidos, à revista “WBUR”. E foi isso que levou o cientista Oddur Sigurðsson a declarar o desaparecimento.

Cerca de cinco anos depois, ambos os especialistas vão estar presentes na cerimónia e na afixação de uma lápide que pretende ser uma carta às gerações futuras.

“O glaciar Okjökull é o primeiro glaciar islandês a perder o seu estatuto. Nos próximos 200 anos, espera-se que todos os nossos glaciares sigam o mesmo caminho. Este monumento serve para reforçar que sabemos o que está a acontecer e tudo o que devemos de fazer para o evitar. Só tu vais saber se o fizemos”, lê-se.

Ainda à mesma publicação, a professora Cymene Howe explicou que a mensagem sempre foi pensada para apelar à mudança de quem a estivesse a ler.

“Ao homenagear um glaciar extinto queremos reforçar aquilo que se estar a perder e o que está a morrer. Mas também queremos chamar à atenção para o facto de o problema das alterações climáticas ser obra dos humanos. Mas não é algo que nos deva deixar orgulhosos.”

Atualmente, há cerca de 400 glaciares na Islândia em risco iminente de desaparecer nos próximos anos.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]