Restaurantes saudáveis, trilhos e os melhores percebes da costa. 6 ideias para aproveitar as férias em Aljezur

Ainda que continue a ser um recanto da costa portuguesa, Aljezur cresceu e tem ainda mais para oferecer. Veja as nossas sugestões.

A praia de Monte Clérigo é uma das mais procuradas de Aljezur

Fica ali naquela linha ténue entre o Alentejo e o Algarve, mas ninguém quer saber de fronteiras quando a ideia é aproveitar uns dias entre o campo e a praia. É que é mesmo isso que Aljezur oferece.

Nesta zona da Costa Vicentina temos a praia da Arrifana e de Monte Clérigo, mas também uma serra a delimitar a costa. Temos restaurantes do bom e velho marisco, e outros onde os vegetais são reis. Há passeios, petiscos, sol e, com sorte, praias com pouca gente.

Faça-se à estrada rumo a sul e aproveite estas sugestões da MAGG para fazer umas paragens.

1. Guardar os telemóveis e ficar offline neste retiro

Chegou a ser um hostel que convidava os hóspedes a entregar todos os aparelhos eletrónicos no check-in. Agora não, “é mais a sério”, esclarece Bárbara Miranda, a mentora do projeto.

Numa nova morada, mais isolada e, ao mesmo tempo, perto da praia, está montado o espaço ideal para o Offline Holiday Experiences, uma semana de surf, ioga, coaching, reiki e, claro, zero telemóveis. “Agora, como funciona em regime de uma semana intensa e sempre com o mesmo grupo, o processo de transformação é muito maior”, explica Bárbara que lembra ainda que “a ideia agora não é criar uma guesthouse, mas sim um movimento offline.”

Morada: a 5 minutos de Aljezur, em direção a Monchique. Coordenadas GPS: 37°19’45.13N 8°45’49.13W.
Preço: Variam entre os 420€ e os 690€, mas há descontos de 50% a quem queira ajudar na logística.

2. Aproveitar a cozinha saudável do novo The Elka Kitchen

O menu muda todas as semanas e, ainda que se assuma como flexitariano, ou seja, prepare pratos com peixe e carne, aqui os vegetais é que mandam. Os vegetais e o pôr do sol, mesmo a pedir que fique mais um pouco e peça um cocktail, enquanto espera pela banda que vai animar o jantar com música ao vivo.

Elska significa amor na língua nórdica antiga e o trio que está por detrás do espaço —o islandês Steppe, a sueca Kerensa Magnusson e o português Francisco Barbosa — garante que é isso que vai sentir quando se sentar neste restaurante onde tudo é orgânico, local e livre de plástico.

Morada: Sector B, Vale da Telha, Aljezur
Telefone: 968516363
Horário: 12h – 15h, 18h – 22h

3. Pão do Rogil, o melhor do Algarve

Pão e Alentejo (lembramos novamente aquela linha ténue de Aljezur) são daquelas palavras que deviam ser escritas sempre juntas. Ainda mais quando se fala do Pão do Rogil, tido por muitos como o melhor do país.

E para não dizerem que somos subjetivos, os prémios falam por si: o Pão do Rogil é, pelo segundo ano consecutivo, vencedor do Prémio Cinco Estrelas Regiões, na categoria Pastelarias e Padarias do distrito.

Há mais de 50 anos a cozer pão em forno de lenha, as variedades foram crescendo com o tempo. Agora, encontra desde a padaria mais tradicional até às especialidades de alfarroba, amêndoa e figo ou batata doce com noz. E os bolos? Só dizemos que ali pode escolher pastéis de nata de batata doce, alfarroba ou beterraba.

Morada: Avendia 16 Junho, 92, Rogil
Telefone: 282998203
Horário: 7h-21h

4. Uma visita ao museu da batata doce

Calma que aqui ninguém lhe vai fazer um tour aborrecido pela história da batata. Este museu é, na verdade, um misto de bar/café e loja com produção e venda de produtos, sempre feitos com a batata doce da região.

Há um jardim com mesas grandes, a pedir que se sente a apreciar com calma aquilo que escolheu — com dificuldade, acreditamos — da montra deste museu que nasceu de uma família de produtores de batata que queria dar a conhecer o que de melhor Aljezur tem.

No menu há bochechas de porco estufadas com batata doce frita, salada de polvo com batata-doce assada, lasanha vegetariana com batata doce e couvada com batata doce. E se nos pratos principais é assim, imagine nas sobremesas. Bolo de batata doce e amêndoa, pudim de batata doce com leite condensado, bolo de batata doce e pinhão ou torta de batata doce e recheio de gila.

Morada: Estrada da Esteveira, Rogil
Telefone: 282994132
Horário: 7h-2h

5. Faça (pelo menos) uma parte da Rota vicentina

Não pense na praia só para se estender na toalha. Estas podem ser aproveitadas de uma forma diferente, nomeadamente, a caminhar.

A Rota Vicentina é uma rede de percursos pedestres com um total de 450 quilómetros feitos para andar. Mas não se assuste com estes números. Pode sempre fazer apenas uma parte, por exemplo, aquela que vai de Aljezur à Arrifana. São apenas 12 quilómetros, que podem sempre terminar com um mergulho.

6. Os percebes da Cervejaria Mar

Começou por ser um quiosque na Aldeia do Rogil a vender petiscos. O sucesso foi tal que aquele espaço começou a ser pequeno para tantos clientes.

O quiosque não fechou, mas agora vende apenas caracóis e percebes — estes últimos, uns dos mais famosos da região. E, por isso, o negócio, que agora passou para um restaurante no centro de Aljezur, tem também percebes na ementa. Percebes, camarões, mexilhão, sapateira, mas também pratos como caril de gambas (13,90€), arroz de lingueirão (23,60€) ou massa de marisco (25,90€).

Morada: Rua da Escola, 13, Aljezur
Telefone: 282994155
Horário: 12h30-15h30, 18h-24h (fecha à terça)

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]