Cientistas criam o primeiro híbrido homem-macaco

Um grupo de investigadores espanhóis desenvolveu a pesquisa pioneira na China, mas há quem a considere pouco ética.

O grupo de cientistas preferiu conduzir a experiência fora de Espanha para contornar algumas burocracias

Louis Reed / Unsplash

Há muitos anos, os clones e as experiências de criar seres híbridos a partir de um laboratório eram um exclusivo dos filmes de ficção científica. Agora, a realidade pode estar prestes a imitar a ficção.

De acordo com uma notícia do “The Independent”, um grupo de cientistas afirma que criou o primeiro híbrido homem-macaco. Os investigadores espanhóis, que conduziram esta pesquisa na China para contornar um conjunto de burocracias exigidas em Espanha, tinham como objetivo usar estes animais híbridos para criar órgãos humanos, facilitando assim os transplantes.

A equipa revelou que injetaram células estaminais capazes de criar qualquer tipo de tecido num embrião de macaco, mas que pararam a experiência antes que este estivesse desenvolvido o suficiente para nascer.

Como seria de prever, levantaram-se uma série de questões éticas no decorrer da divulgação desta experiência, incluindo preocupações de que algumas das células pudessem migrar para o cérebro do híbrido.

Angel Raya, um representante do Centro Médico de Medicina Regenerativa de Barcelona, disse ao “El País” que as experiências entre duas espécies se deparavam com “barreiras éticas”.

O especialista espanhol também demonstrou preocupações com a questão da migração das células: “O que é que acontece se as células escaparem e formarem neurónios no cérebro do animal? Este desenvolveria uma consciência?”.

No entanto, Estrella Nunez, uma das investigadoras que colaborou com a experiência, esclareceu que tal não seria possível, dado que foram tomadas medidas para que, caso as células se encaminhassem para o cérebro, ser acionado um sistema de auto destruição. “Os resultados são muito promissores”, acrescentou a cientista espanhola.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]