O que dizem os fãs da Team Strada nas redes sociais

Houve quem pedisse fé para ajudar Hugo Strada e quem se recusasse a acreditar nas acusações. A explicação está no fenómeno que se gerou.

O impacto dos Team Strada, ainda que muito diferente em forma e amplitude, foi semelhante ao fenómeno dos Tokio Hotel ou d'A Casa dos Youtubers

O ceticismo faz parte de qualquer fenómeno seja ele musical, artístico ou cultural. Quem não se lembra de lançar um feroz “mas quem são esses?” quando o assunto era o sucesso dos Tokio Hotel em meados de 2001? Podia até dar-se o caso de já ter ouvido o nome mas, ou porque não gostava ou porque não tinha interesse em conhecer, fazia por ignorar. No entanto, o impacto foi sentido em várias partes do mundo, especialmente em Portugal que levou vários fãs a perder a cabeça quando a banda alemã atuou em Lisboa.

O impacto dos Team Strada, ainda que muito diferente em forma e amplitude, foi semelhante. Provavelmente deu por si a lançar uma nova versão do “mas quem são esses?” quando a polémica que envolve o manager Hugo Strada, acusado de má conduta e de extorsão infantil, começou a inundar as redes sociais.

Se até agora não conhecia o grupo de influenciadores que compõem a equipa, provavelmente já sabe do que se passa e até é capaz de ter uma ou duas coisas a dizer sobre o tema. Afinal, ninguém quer ficar de fora da discussão.

No entanto, esta é uma equipa que tem um impacto significativo junto dos mais novos que seguiram atentamente fenómenos como a Casa dos Youtubers (que juntou nomes como Wuant, D4rkframe e SirKazzio no mesmo espaço) e que veem na Team Strada uma espécie de revival com vídeos engraçados, disruptivos e com partidas entre todos os membros do grupo.

Um pouco por toda a internet, as opiniões dividiram-se entre quem não tivesse dúvidas de que Hugo Strada estava a agir de forma dúbia e preocupante e quem fosse fã e acreditasse que isto não passava de uma tentativa de derrubar um novo projeto nacional.

É a estes últimos, e geralmente menores de idade, que a polémica que envolve Hugo e os seus “discípulos” está a custar mais a engolir. A julgar por alguns comentários, há pessoas a viver a polémica com intensidade e paixão — em parte porque têm receio de estar a assistir ao fim de algo que amam e que gostam de seguir.

No Twitter, por exemplo, uma utilizadora escreveu não ter dúvidas de que “Hugo é inocente” e que, por isso, não é responsável por nada daquilo que o acusam. Já outro utilizador desvaloriza as críticas e afirma que tudo isto está a ser feito pela fama.

“Está a ser investigado juridicamente, por isso deixem-se de merdas de beefs aqui só para ganharem fama e quês. E deixem-no em paz. O Hugo Strada é puro, ele é super top mas super top mesmo. Vocês criticam sem saber”, lê-se num dos tweets partilhados na rede social.

Outra fã utilizou o Twitter para dizer que conhece Hugo Strada, com quem já esteve várias vezes, e acredita que o gestor digital não é capaz de fazer aquilo de que é acusado.

“Já estive com o Hugo Strada bués vezes e sei que ele não era capaz de fazer nada daquilo que todos dizem, por isso parem de deitar o people da team abaixo”, lê-se.

Ainda que estranho, o fenómeno é facilmente explicável ao assistir às sessões de meet & greet com a equipa — onde os fãs têm a oportunidade de falar e ficar a conhecer as pessoas com quem, até então, só interagiam através de um ecrã e através de likes, comentários e partilhas.

Não é por acaso que, desde que foi formada, a Team Strada já atuou para mais de 25 mil pessoas e organizou várias outras sessões de encontros com os fãs que esgotaram. O fenómeno existe, move multidões e é um mercado que já se provou que existe e que tem potencial.

Talvez por isso os fãs do grupo acreditem que toda esta polémica se vai traduzir em mais dinheiro e em mais fama para o grupo de influenciadores digitais. “A verdade é que a Team Strada vos faz tanta comichão porque eles não param de fazer dinheiro e de fechar campanhas com grandes marcas enquanto vocês estão quase na falência”, escreveu um utilizador.

Mas há quem vá mais longe na adoração e na defesa do grupo. “Todos nós temos de ter fé e ajuda o Hugo Strada. Eu não acredito que ele é capaz. Não é pessoa para isso”, lê-se noutra publicação.

Tal como costuma ser habitual em todos os outros fenómenos, há um grande sentimento de identificação que justifica o sucesso e a empatia que fãs criam com os seus ídolos. Há quem veja no grupo o escape a uma rotina difícil ou monótona ou quem veja naquelas figuras um modelo a seguir.

“Hugo Strada nós vamos estar sempre aqui contigo. Não acredito em nada do que eles dizem. Criaste a Team e foi a melhor coisa que fizeste. Obrigada por me animares os meus dias”, foi um dos comentários deixados em apoio à equipa. Embora haja outros mais ou menos agressivos, também não faltaram vídeos com fãs lavados em lágrimas nas redes sociais. 

Ver um vídeo dos Team Strada pode ser, para muitos fãs, semelhante à sensação de fazer parte do culto que se formou em redor de uns Tokio Hotel.

Pode ser o ponto alto do dia de muitos seguidores que, por acreditarem naquilo que lhes é dito e nas personas que são criadas com o intuito de vender, têm dificuldade em aceitar as acusações de má conduta. Custa-lhes, acima de tudo, ver um projeto que lhes permitia ser mais do que aquilo que são esmorecer.

Após as acusações difundias nas redes sociais, a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção de Crianças e Jovens evitou as denúncias para o Ministério Público, por considerar que os jovens geridos por Hugo Strada podem estar “perante eventuais situações que podem consubstanciar perigo.”

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]