Os solários fazem mal à saúde. “As pessoas pagam para ter cancro de pele e ficar com mais rugas”

Os solários são prejudiciais à saúde e podem causar cancro. Falámos com a dermatologista Manuela Paçô que explica como tudo funciona.

As estimativas apontam para cerca de 13 mil novos casos de cancro este ano em Portugal

O verão está a chegar. Podia ser um lema da série “A Guerra dos Tronos”, mas não é. A estação mais quente do ano está mesmo aí e há quem comece a fazer os preparativos para obter um bronze invejável muito antes de pisar a areia da praia. Há quem abomine a ideia de chegar à praia branca que nem cal, por isso preparativos como ir ao solário são naturais para algumas pessoas.

Os solários são utilizados para que, através de lâmpadas de raios ultravioleta, ganhemos um bronzeado sem termos que apanhar banhos de sol. O que as pessoas não sabem é que a utilização do solário é prejudicial à saúde. Desta forma, a Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC) apelou esta terça-feira, 7 de maio, ao encerramento dos solários, algo que já aconteceu no Brasil ou na Austrália, por exemplo.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da APCC, Osvaldo Correia, sublinhou que as estimativas apontam para cerca de 13 mil novos casos de cancro este ano em Portugal e afirmou que é necessário “interiorizar que os solários são indutores dos cancros de pele.”

“Este ano surgiram mais estudos internacionais, alguns em que Portugal participou, que demonstram a relação entre a exposição prévia a solários e o aumento de risco de todos os cancros de pele”, revelou.

Osvaldo Correia desvalorizou ainda a ideia de que os solários podem ser saudáveis. “Não é nada saudável, não faz bem a nada e favorece riscos de cancro que poderão não ser hoje, mas podem ser amanhã. E o amanhã pode ser daqui por três, cinco ou dez anos.”

Os estudos não mentem: está provado que os solários fazem mesmo mal

Para a dermatologista Manuela Paçô, “é preciso informar corretamente as pessoas sobre o que são os solários.” E afinal, porque razão são os solários tão prejudiciais à saúde?

Dia do Euromelanoma e Dia dos Cancros da Pele

De acordo com a TVI24, para assinalar o Dia do Euromelanoma e o Dia dos Cancros da Pele, a 15 de maio, vão estar mais de 40 serviços de dermatologia a fazer rastreios gratuitos por todo o país, sobretudo a pessoas com anteriores queimaduras solares, com antecedentes de cancro de pele ou que trabalham diariamente sob exposição solar.

Existem inúmeros estudos que relacionam os raios ultravioleta como causa do aparecimento de cancro cutâneo. “Os solários utilizam lâmpadas com raios ultravioleta, que são causadores de cancro, sobretudo melanoma — o cancro de pele que mata mais”, explicou a dermatologista.

Para além de causar cancro, a utilização de um solário causa envelhecimento da pele, bem como rugas ou manchas.

“É isto que as pessoas não sabem. Nos solários, a carga de UV é altíssima. Basicamente, o que as pessoas fazem é pagar para ter cancro de pele e ficar com mais rugas”, afirmou Manuela Paçô.

Estar demasiado tempo ao sol pode causar cancro da pele, à semelhança daquilo que acontece com os solários. Mas existe uma pequena diferença entre apanhar sol e utilizar um solário.

“A luz solar é composta por uma série de raios diferentes como luz visível, infravermelhos e UV. Os solários só têm raios UV. É um acréscimo àquilo que estamos sujeitos durante o dia”, revelou a dermatologista.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]