A corrida às bombas de gasolina vista através das redes sociais

Filas, taxistas parados e transportes públicos condicionados. A greve dos motoristas vista através das partilhas nas redes sociais.

As Forças Armadas já colocaram 15 militares preparados para conduzirem camiões de transportes de combustíveis, se tal se mostrar necessário

Instagram

O reconhecimento da categoria profissional específica e a melhoria da condição salarial. Estes são os dois principais fatores que levaram o sindicato nacional de motoristas de matérias perigosas (SNMMP) a convocar uma greve, iniciada na madrugada desta segunda-feira, 15 de abril.

Com uma adesão a rondar os 100%, a greve está a ganhar proporções inesperadas. Os motoristas juntaram-se para tentar barricar o acesso de camiões-cisterna ao centro logístico de combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, ação que resultou na declaração de uma “situação de alerta” por parte do governo.

Ainda durante a tarde de terça-feira, 16, gerou-se uma corrida aos postos de abastecimento de combustíveis, que provocou um congestionamento de trânsito bem como o esgotamento de combustíveis em dezenas de bombas por todo o País.

Com a situação longe de estar resolvida, o governo já garantiu 40% dos abastecimentos em Lisboa e no Porto, no âmbito do cumprimento dos serviços mínimos. No entanto, Pedro Henriques, do SNMMP, garante que a greve se mantém nos “100% de adesão” e que “a única coisa que está a ser feita é o transporte organizado para o aeroporto”.

Os sindicalistas prometem que a paralisação irá continuar por tempo indeterminado. Nesse sentido, o governo admite alargar os serviços mínimos a outras áreas do País.

Até lá, as filas continuam a aumentar, ou simplesmente são interrompidas pelo esgotamento das matérias-primas. Além dos privados, já existem taxistas parados e transportes públicos suprimidos ou condicionados. Nas redes sociais, as pessoas vão transmitindo fotografias e vídeos in loco, que espelham as consequências da já apelidada “crise dos combustíveis”.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]