Chegou o documentário sobre a mulher que castrou o marido. Explicamos-lhe porque tem de levá-lo a sério

"Lorena" relata um crime que remonta a 1993. No meio do circo mediático, os abusos físicos e sexuais que a mulher sofreu ficaram esquecidos.

Lorena Gallo e John Bobbitt divorciaram-se após o sucedido em 1995

Amazon Prime

Durante a madrugada de 23 de junho de 1993, Lorena Bobbitt (agora conhecida pelo nome de solteira, Lorena Gallo) cortou o pénis ao marido. Após o crime, a mulher, em choque, pegou no carro e fugiu para a casa da melhor amiga. A meio da fuga percebeu que tinha o pénis do marido, John Bobbitt, ainda com ela e atirou-o pela janela.

Quase 26 anos após o crime, a plataforma Amazon Prime (disponível em Portugal) lançou, esta sexta-feira, 15 de fevereiro, uma série documental que analisa em detalhe o antes, o durante e o depois deste crime. Este documentário tinha sido já apresentado no festival de cinema Sundance, tendo recebido boas críticas.

“Lorena” está dividido em quatro partes e foi realizado por Joshua Rofé e produzido por Jordan Peele . Para além do uso de várias imagens de arquivo de notícias, programas de entretenimento e do próprio julgamento, “Lorena” conta ainda com depoimentos de Lorena Gallo, John Bobbitt, de amigos e familiares próximos do ex-casal.

Tal como mostra o documentário, o caso, por ser tão insólito, tornou-se mediático. A história chegou rapidamente aos media nacionais e internacionais, como se pode ver nesta peça da RTP, em 1994.  Além disso, muitos foram os humoristas que não resistiram a satirizar este crime como Whoopi Goldberg, Howard Stern ou Robin Williams.

A amputação que Lorena Bobbitt cometeu foi tão mediática que se tornou parte da cultura pop, sendo vagamente mencionada (ou adaptada) em vários filmes e séries como “Clube de Combate” ou “Anatomia de Grey“.

Mas se o ato de cortar o pénis ao marido foi suficiente para tornar o caso mediático, o mesmo se pode dizer dos abusos, agressões e violações que esta mulher sofreu enquanto foi casada com John Bobbitt. Infelizmente, acabaram por ser esquecidos durante o circo mediático que se gerou à volta da história.

Como pode uma mulher chegar a este ponto?

Lorena Gallo chegou aos Estados Unidos em 1987 com um visto de estudante. Nascida no Equador em 1969, e criada na Venezuela, Gallo emigrou para os Estados Unidos à procura de uma vida melhor.

Chegada ao país, Lorena Gallo tinha aulas na Universidade Comunitária da Virgínia do Norte (Washington D.C.) e trabalhava como manicura no salão de Janna Bisutti, que viria a tornar-se uma das suas melhores amigas.Foi numa saída a noite que conheceu o cabo John Bobbitt, natural de Nova Iorque. Os dois viriam a apaixonar-se e a casar dois anos depois, em 1989, tinha a noiva 20 anos e o noivo 22 .

Desde cedo que Gallo acusava o seu ex-marido de ser um homem violento. Em entrevista à revista “Vanity Fair” em 2018, Lorena Gallo afirmou que Bobbitt agredia-a fisicamente, violou-a várias vezes (chegou mesmo a forçá-la a ter sexo anal) e obrigou-a a fazer um aborto. Mas as agressões eram também verbais e emocionais, pois segundo Lorena era frequente ofendê-la, bem como ameaçá-la de que iria conseguir que fosse deportada para o Equador.

Quando confrontado com estas alegações, John Bobbitt negou tudo à mesma publicação. No entanto, reconheceu que Lorena Gallo era uma boa mulher, mas obcecada em viver o “sonho americano”. Quando em 1991, John Bobbitt foi dispensado do exército, as coisas pioraram entre o casal. Gallo passou a ser a única pessoa a trabalhar em casa e, devido à falta de dinheiro, as discussões tornaram-se cada vez mais violentas, levando a que os dois tivessem várias vezes ligado para o 112 local.

A casa do casal acabou por ser penhorada pelo banco (Lorena Gallo foi ainda apanhada pela sua melhor amiga a desviar 6400€ do seu negócio para fazer face às despesas), o que levou a que se separassem. Pouco tempo depois voltaram a juntar-se.

Afinal, o que é que aconteceu a 23 de junho de 1993?

Apesar de Lorena Gallo e John Bobbitt terem já decido que se iriam separar novamente, o casal ainda vivia na mesma casa. Na fatídica noite de 23 de junho, John Bobbitt chegou a casa bêbado com o amigo Robert Johnson. Johnson ficou a dormir na sala, enquanto Bobbitt foi para o quarto onde Lorena já dormia. Deitou-se, violou-a e adormeceu.

Lorena Gallo a prestar declarações em tribunal

Sygma via Getty Images

Após a violação, Gallo levantou-se para beber um copo de água. Assim que viu a faca, voltou ao quarto e cortou o pénis do marido enquanto ele dormia. “Eu não queria dar-lhe uma lição. Foi uma questão de sobrevivência, [de] vida ou de morte. Eu temia pela minha vida”, disse Lorena Gallo, ainda na mesma entrevista à “Vanity Fair”. 

Em entrevista ao canal norte-americano ABC NEWS, John recusou a acusação de ter violado a mulher nessa noite.

Após o crime, Lorena pegou no carro e fugiu para a casa de Janna Bisutti. Pelo caminho, atirou o pénis do marido para um descampado. Foi a amiga quem ligou para a polícia a contar o sucedido. Em interrogatório policial, Lorena Gallo explicou de forma vaga para onde tinha atirado o pénis do marido, sendo enviada uma equipa de busca para procurar o membro amputado.

Arma do Crime

Sygma via Getty Images

John Bobbitt acordou logo de seguida, começou a aplicar pressão na zona genital e pediu ao amigo que o levasse ao hospital. O médico Jim Sehn contou recentemente ao site “The Cut” como tudo aconteceu: “Por volta das quatro da manhã, Bobbitt chegou ao hospital com um lençol a tapar a área pélvica.”

Como ninguém sabia da localização do pénis do seu doente, Sehn iria fazer uma operação com o nome de uretrostomia perineal, que consistia em transformar a área genital em algo semelhante a uma vagina, com apenas uma abertura para Bobbitt poder urinar.

Felizmente, recebeu uma chamada da polícia a informá-lo de que o pénis tinha sido encontrado e que iria ser levado para o hospital. Como nenhum dos polícias queria apanhar o membro amputado de Bobbitt, chamaram uma equipa de paramédicos ao local. Estes colocaram luvas, agarraram no membro decepado e levaram-no até uma loja de conveniência perto do local. Lá pediram um saco e gelo e guardaram o pénis. Pouco tempo depois, o membro amputado chegava ao hospital. Como estava em boas condições e tinha um corte direito, pode ser reimplantado. Nove horas e meia depois de operação, Bobbitt tinha o seu pénis de volta.

John Bobbitt em tribunal

AFP/Getty Images

A Vida de Lorena Gallo e John Bobbitt após o julgamento

A 11 de novembro 1993, John Bobbitt foi ilibado da acusação de abuso conjugal. Já Lorena Gallo foi ilibada da acusação de ferimento malicioso devido a uma insanidade temporária, a 24 de janeiro de 1994. No entanto, passou 45 dias em avaliação psiquiátrica, sendo depois libertada por já não representar um perigo para a sociedade.

Em 1995, o casal finalmente divorciou-se e cada um seguiu com as suas vidas. Lorena Gallo regressou à universidade, conheceu o seu atual marido David Bellinger e foi mãe em 2005. Em 2007 criou uma fundação para a prevenção da violência doméstica. Gallo conseguiu ainda ajudar a sua família a emigrar legalmente para os Estados Unidos.

Já John Bobbitt teve um percurso diferente da sua ex-mulher. Participou em dois filmes para adultos, “Uncut” e “Frankenpenis”. Foi várias condenado por crimes como violência doméstica, roubo e assédio. Atualmente vive de uma pensão de invalidez por ter sido atropelado em 2014.

No ano passado, John Bobbitt pediu Lorena Gallo em amizade no Facebook. Ela não aceitou.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]