Já vimos episódios suficientes de “Pesadelo na Cozinha” para perceber qual é o primeiro grande problema do restaurante O Telheiro, em Vieira de Leiria. Assim que Ljubomir Stanisic chega à entrada do espaço, já sabemos o que vai dizer: o menu é enorme. “Sabem quantos pratos têm na ementa?”, pergunta mais tarde. Ninguém sabe. “98. 98 pratos”.

Este domingo, 28 de outubro, o programa da TVI levou-nos a um restaurante na Praia da Vieira, com vista para o mar. Aberto desde 1993, este negócio familiar já viu melhores dias: a comida apresenta problemas, a organização da equipa também. Mas precisamos de poucos minutos para ficar apaixonados por esta família — eles são uns amores.

Comecemos pelas devidas apresentações: O Telheiro pertence a Natália e Manuel, um casal na casa dos 60 que trabalha todos os dias das 8 da manhã até ao último cliente sair do restaurante. Apesar de Natália já ter tido um princípio de esgotamento, é evidente que tem dificuldade em delegar o negócio.

Ljubomir Stanisic não tem dúvidas: está na altura de Natália sair da cozinha e entregar (finalmente) a responsabilidade dos pratos e das panelas à filha. Quanto à comida, é acabar de vez com os molhos de pacote.

Ljubomir Stanisic. “Que se foda a televisão”

O pior do restaurante

Vamos começar pela ementa: além de ser demasiado grande, os pratos vêm acompanhados de imagens. “Nunca me convidou comer em sítios com fotos. Mete-me um pouco de medo”. Como se não bastasse, há problemas na tradução do cardápio — nomeadamente com o star egg que, na realidade, é apenas um ovo estrelado. “Eles usam o Google Tradutor”, explica Diana, a empregada de mesa.

Quanto à comida, o chef deteta duas dificuldades: a utilização excessiva de produtos congelados, que depois vão ao microondas e perdem consistência e sabor; e os molhos de pacote. Estão em todos os pratos, e fazem com que a comida tenha toda o mesmo sabor. “Sabe tudo ao mesmo: pacote”.

De destacar ainda que Natália gosta de servir doses demasiado generosas, o que faz com que depois não tenham lucro — o prato de bacalhau, por exemplo, tinha um quilo e custava apenas 14€.

O melhor do restaurante

Os equipamentos. “É a cozinha mais bem equipada onde eu já estive”, disse Ljubomir Stanisic. O grande elogio vai para o grelhador que, apesar das queixas de Manuel, é o melhor do mundo. Palavra de chef. “É aprender a trabalhar com ele”.

De quem é que gostámos mais

Entregámos o nosso coração ao senhor Manuel, o patriarca da família. Para começar, é um homem que dedica a vida ao trabalho — “Não gosto de ler jornal, não gosto de ir a um futebol. O trabalho para mim é um desporto”. Completamente apaixonado pela mulher e pela família, é extremamente humilde e está sempre disposto a aprender.

Ficámos derretidos com Manuel: quando vai a correr atrás do chef, por exemplo, temos vontade de gritar por Ljubomir. Quando chora — foram quatro vezes —, queremos abraçá-lo e dizer-lhe que vai ficar tudo bem. No final, quando beija a mulher e diz “uma boa reforma para nós”, é a nossa vez de chorar. Arrebatou o nosso coração, senhor Manuel.

De quem é que gostámos menos

Honestamente? De ninguém: a família inteira é incrível. A pessoa mais criticada pelo chef foi a filha Marlene, que continua muito dependente da mãe. Ainda assim, tal como Stanisic, conseguimos perceber que não seja fácil cortar o cordão umbilical. Além disso, tal como os pais, é humilde e quer muito ser ensinada.

Pesadelo na Cozinha. “Só queria que o chef tivesse ficado mais tempo connosco”

O prato da polémica

Quase todos os pratos tinham problemas: a pota de entrada estava rija, os rissóis sabiam ao óleo usado em demasia, a sopa de legumes e de peixe eram exatamente iguais — a única diferença é que uma levava peixe e a outra não — e o bacalhau estava demasiado salgado. Houve ainda tempo para migas azedas, batata com três dias e uma dourada seca porque foi descongelada no microondas.

Não é fácil eleger um único prato da polémica, portanto. Ainda assim, a nossa escolha vai para a francesinha: o chef ficou em choque quando descobriu que a salsicha era de lata. “Esta não vem do Porto, garantidamente”.

O momento mais WTF

“Fiquei fã, gostei. Aliás, pedi aos meus colegas para não comerem mais que era para eu ter a oportunidade de poder desfrutar de mais [bloqueia]. De mais… de mais… choco”, disse Álvaro Cardoso, Presidente da Junta de Vieira de Leiria, no dia em que o restaurante abriu ao público com uma nova ementa. Além de parecer forçado, foi constrangedor.

O momento mais violento

Ljubomir Stanisic não foi nada simpático com Marlene. Quando a filha dos proprietários lhe pede ajuda para aprender a fazer a descongelação dos alimentos, o chef responde-lhe: “Minha querida, há uma coisa em que tu e eu temos de nos entender. Eu venho cá com as minhas ideias e decisões, não com as tuas. Portanto, ensino-te aquilo que achar que tu precisas de aprender. Agora, para te dar um curso, tens de me pagar muito caro”.

Mais tarde, o chef irrita-se com Marlene porque se está sempre a meter em todas as conversas, acabando por não fazer bem o seu trabalho. Stanisic fica tão chateado que sai do restaurante. Como se estava toda a gente a rir, porém, o momento acabou por ser engraçado. O que foi dito anteriormente nem por isso: o chef apanhou-nos de tal forma desprevenidos que ficámos colados ao sofá.

O momento mais fofinho

Leandro tem 13 anos e sonha ser chef. Grande admirador de Ljubomir Stanisic, não se cansa de assumir o comando da cozinha lá em casa quando a mãe, Hortense, a copeira, o deixa. Ficámos derretidos com o momento em que Stanisic vai falar com o rapaz e lhe promete que, se não chumbar mais, tem um ano de formação (com salário) garantido. “Não precisas sequer de ir à escola de hotelaria, sou eu que te vou formar. E garanto-te, hei de fazer de ti um grande cozinheiro”.

A equipa do restaurante O Telheiro

Na última refeição preparada com Ljubomir Stanisic na cozinha de O Telheiro, Leandro preparou um arroz de marisco. Cheio de orgulho, andou de mesa em mesa a servir o seu prato. O único problema foi que se entusiasmou tanto que não deu para toda a gente.

O que falha na higiene do restaurante

Nada. Ljubomir Stanisic chega mesma a elogiar Hortense pela higiene impecável do restaurante. “Queres vir trabalhar comigo? Ofereço-te já emprego”.

Quem disse mais palavrões?

Ljubomir Stanisic foi o único a dizer palavrões. No total, foram 21.

As frases mais engraçadas

  • “Já comi todos os eggs possíveis. Agora star egg? Nunca” (Ljubomir Stanisic)
  • “Vou levar nas orelhas por causa de ti, Manuel Simões” (Natália)
  • “Já comi cozinha italiana, peruana, ‘pacoteana’, ‘congelana’, ‘microoana’. Mas fresquinha ainda não” (Ljubomir Stanisic)
  • “Sinto que fiz um curso intensivo de pozinhos, não sabia que existiam tantos sabores diferentes. Agora vou cagar” ((Ljubomir Stanisic)
  • “Gostaria de mudar a ementa, mas como, se nós não conhecemos outra coisa?” (Natália)
  • “Isto para mim é uma Hiroshima”[referindo-se à falta de organização] (Ljubomir Stanisic)
  • “Se só há um frigorífico onde metem tudo, onde é que isto havia de estar? No cu?” (Ljubomir Stanisic)
  • “Isto para mim cheira a merda, é pior do que a sanita” [referindo-se ao molho de pacote] (Ljubomir Stanisic)

A frase do episódio

“Químico, pacote, sanita, merda” (Ljubomir Stanisic)