A comida saudável vai ser avaliada e passará a estar identificada

A comida saudável vai ser avaliada e aquela que passar no teste vai ter um selo com as palavras "Boa Escolha".

Não é por ter o nome de bio ou light que um produto é saudável. Este selo vai ajudar a diferenciar os produtos no supermercado

E de repente o leite de vaca é o demónio vertido numa caneca. Não queremos ir em modas, mas a verdade e que há um estudo que diz que apenas 35% da população mundial fabrica a enzima lactase, essencial para digerir o leite sem dificuldade. Vai daí que as bebidas vegetais tenham vindo a ganhar espaço no mercado e no pequeno-almoço dos portugueses e a consciência ficou mais leve ao trocar o produto de origem animal por um feito com base de soja, aveia, arroz, coco ou amêndoa.

Mas será que esta troca está a ser bem feita? Qual é a diferença entre a bebida vegetal de soja e a de amêndoa? Porque é que a desta marca custa 1€ e a da outra já custa 3€?

Muitas perguntas a serem feitas em frente às prateleiras do supermercado, não é verdade? A resposta, pelo menos a algumas delas, vem em forma de selo de qualidade que, a partir de janeiro, vai identificar quais são realmente os produtos mais saudáveis do mercado.

A iniciativa parte de ConsumerChoice – centro de avaliação da satisfação do consumidor, Lda – que acaba de lançar o “Boa Escolha”, uma nova marca que avalia e reconhece a qualidade nutricional dos alimentos que tenham, logo à partida, uma especial preocupação com a saúde dos consumidores, excluindo, por isso, tudo o que seja álcool, refrigerantes ou fast food.

A ideia é que as marcas submetam para avaliação todos os produtos categorizados como orgânicos, naturais, sem glúten, sem lactose, biológicos, que sejam substitutos de refeição, suplementos para desportistas ou com a indicação de serem “ricos em” ou com “baixo teor de”.

Todos os produtos passam pela avaliação de um grupo composto por 15 nutricionistas que medem os níveis de açúcares, hidratos, sal, proteína e sal dos alimentos, dando o selo de “Boa Escolha” àqueles que apresentem os valores nutricionais mais equilibrados, quando comparados com outros da mesma categoria.

As marcas devem submeter os seus produtos até ao fim de outubro e a avaliação será feita em novembro e dezembro para que, em janeiro, sejam divulgados os resultados e as marcas possam pôr à venda os produtos já com o selo identificativo.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]