Foi num tom de ironia, mas com muita revolta que na manhã deste sábado, 14 de dezembro, o apresentador Jorge Gabriel publicou uma fotografia na conta pessoal de Facebook e Instagram, onde mostra o vidro do carro partido, acompanhada de uma descrição que revela o que aconteceu.

Foi neste estado que ficou o vidro do carro do apresentador da RTP1

Jorge Gabriel/Facebook

“Caríssimos assaltantes. Depois de ter passado o dia inteiro a trabalhar, numa correria louca, deparei-me com este cenário. Desejo-vos um óptimo natal, que os meus ‘stan smith’ vos sirvam, que adorem as minhas calças de ganga, as camisas, o blazer e a malha, bem gira por sinal”, começa por dizer o apresentador de 51 anos.

Tinha acabado um dia de trabalho intenso, como o próprio descreve, que decorria, de acordo com a revista “Flash“, no Parque das Nações onde gravava o habitual Circo de Natal da RTP1, que passa todos os anos no dia 24 de dezembro à noite.

“Praça da Alegria” ultrapassa “O Programa da Cristina”: “Ficámos muito contentes”, diz Sónia Araújo

Mas os presentes enumerados pelo apresentador ou o cansaço que já sentia àquela hora nem foram o maior problema: “Tenham um pingo de decência e devolvam o comboio da Lego que ia oferecer ao meu filho nesta quadra. Podem deixar na receção da RTP, em meu nome, que eles entregam-me”, acrescenta Jorge Gabriel.

A publicação termina com Jorge Gabriel a desejar que o menino Jesus traga saúde e respeito pelo próximo aos assaltantes. “Roubar é feio, ou como diz o outro, ‘é uma vergonha’ — desculpe senhor presidente”, conclui.

A caixa de comentários encheu-se de seguidores a mostrar solidariedade: “Já nos aconteceu o mesmo!!! Foi para mim uma confusão entrar no carro. Boa sorte”, disse uma seguidora e outra comentou: “Estamos numa onda de vandalismo que assusta e obriga a preocupação de todos nós. Feliz Natal”.

Contudo, não faltaram também críticas, quer a Jorge — “é pura ingenuidade deixar à mostra de olhos alheios e de cobiça algo que por muito pouco que valha é motivo de desvio por quem necessita ou simplesmente se dedica a se apropriar do que não é seu. Se seguisse o exemplo e as recomendações da PSP evitaria essa desagradável surpresa e quanto ao Lego é melhor comprar outro” — quer ao governo.

“Infelizmente é nunca são julgados… Justiça popular”, diz uma seguidora e outra reforça a ideia: “Miserável governo este que não zela pelos contribuintes. Só contamos para pagar, mas para nos proteger e aos nossos bens, não há investimento. Pena não serem os bens deles”.