Estávamos em meados de agosto quando foram descobertas as ligações entre o príncipe André, um dos filhos da rainha Isabel II, e o predador sexual Jeffrey Epstein. A imprensa internacional publicou fotografias inéditas que mostram o príncipe em mansões detidas por Epstein, mas a situação                                            piorou quando surgiu a informação de que o magnata, acusado de crimes sexuais, tinha coagido uma mulher para que esta tivesse relações sexuais com André em três ocasiões diferentes.

A alegada vítima chama-se Virginia Roberts que, em entrevista à BBC, não deixou nada por contar. “Isto não é uma história sórdida de sexo. Isto é uma história sobre ter sido traficada. É uma história de abuso e é uma história sobre a vossa realeza”, começou por explicar na entrevista que foi emitida na segunda-feira, 2 de dezembro.

Príncipe André promete vingar-se e contar tudo sobre a morte de Diana

Tal como conta na conversa com  BBC, a mulher de agora 35 anos anos terá sido traficada pelo empresário americano e entregue a príncipe André três vezes entre 2001 e 2002, em Londres, em Nova Iorque e numa ilha privada das Caraíbas.

“Não durou muito. Ele levantou-se, agradeceu e eu sentei-me na cama horrorizada, envergonhada e a sentir-me suja. Ele sabe o que aconteceu e eu sei também o que aconteceu. Apenas um de nós está a dizer a verdade, e eu sei que sou eu”, referindo-se à entrevista que André tinha dado dia antes à mesma estação e durante a qual negou as acusações.

Uma semana depois, Virginia Robert utilizou a página do Twitter para alertar quem a segue e acredita na sua versão dos factos. Em resposta a um utilizador, que teoriza que a mulher será morta para proteger os “os ricos”, Virginia diz já ter feito saber aos seus médicos que não se encontra, de forma alguma, a ter pensamentos suicidas.

“Quero tornar público que não sou, de forma alguma, uma pessoa suicida. Expliquei isto ao meu psicólogo e ao meu médico de família. Se alguma coisa me acontecer, não deixem que este assunto desapareça e ajudem-me a proteger a minha família. Há demasiadas pessoas más que me querem ver calada”, lê-se na publicação original.

William poderá ter tido um papel decisivo na suspensão dos trabalhos do duque de York

Esta quarta-feira, 11 de dezembro, Virgina Roberts esclareceu o motivo do comentário: “Em resposta à quantidade de apoio que tenho recebido, gostaria de agradecer a todos os que estão ao meu lado a lutar para que as nossas crianças tenham um futuro mais seguro. Fui informada pelo FBI de que houve uma ameaça de morte credível contra mim.”

Após notícias do escândalo e uma tentativa de príncipe André se justificar em entrevista à BBC, as suas funções no palácio de Buckingham, em Londres, no Reino Unido, foram suspensas.