Já é um dado adquirido que a atriz Maria Vieira partilha as suas polémicas opiniões através do seu Facebook pessoal. Aliás, são várias as vezes ao longo do ano que a sua página fica inativa por ter publicações denunciadas. Agora, Maria Vieira voltou a expressar a sua opinião sobre o roast a Ljubomir Stanisic.

O espetáculo aconteceu a 13 de outubro, mas só foi emitido este sábado, 7 de dezembro. Par além do chef jugoslavo, o roast contou ainda com Merche Romero, Rui Sinel de Cordes, Eduardo Madeira, entre outros. A estes nomes poderia ter-se juntado a própria Maria Vieira – já que a atriz explica ter sido convidada pela produção.

Das férias de Kelly Bailey às indiretas de Ljubomir. 6 notícias que marcaram o mundo social

“Há umas semanas ligaram-me para me convidar a participar dessa coisa do roast que passou ontem na TVI”, começou por explicar no Facebook, numa publicação feita este domingo, 8 de dezembro. “De uma forma simpática e civilizada, declinei o convite, afirmando que não estava interessada em participar no dito programa, apesar da natural insistência do produtor que ainda perdeu algum do seu precioso tempo a tentar convencer-me a fazer parte de uma coisa que eu não faria nem a troco de um milhão de euros, quanto mais pelos 535€ que eles devem pagar a cada uma daquelas figuras que alinham naquele festival de mau gosto, de inenarráveis ofensas, de trágicas obscenidades e da maior falta de respeito pelo próximo, jamais transmitida na televisão portuguesa”.

As farpas ao formato não se ficaram por aqui. “Mas ontem (…) resolvi dar uma espreitadela na coisa apenas para ver até que ponto a imbecilidade, o exibicionismo, a ausência de princípios e a pobreza de espírito podem chegar e acabei por concluir que ao pé desse roast, o ‘Big Brother’ e todos esses reality shows medíocres e acéfalos que inundam a maioria dos canais de TV aberta são praticamente umas peças de William Shakespeare”.

A atriz continuou dizendo que não “fazia ideia” de quem eram metade das pessoas que integraram o painel de convidados e que não conseguia “entender como é que é possível alguém sujeitar-se àquilo que eu (…) tive vergonha de assistir”.