O presépio tradicional que junta José e Maria em redor do menino Jesus foi transformado este Natal pela Claremont United Methodist Church (CUMC), uma igreja em Claremont, na Califórnia, EUA.

As três figuras que representam a época natalícia foram colocadas em jaulas para passar uma mensagem: “Num tempo em que no nosso país as famílias de refugiados procuram asilo nas nossas fronteiras e são separadas contra a sua vontade, nós acreditamos na família de refugiados mais conhecida do mundo”, começa por escrever Karen Clark Ristine, ministra sénior na CUMC, numa publicação de Facebook que acompanha a fotografia do presépio adaptado aos dias de hoje.

Neste cenário, a sagrada família foi separada, tal como os milhares de refugiados que todos os dias chegam à fronteira dos Estados Unidos. De acordo com o que Karen Clark Ristine conta na publicação, aquilo que está a acontecer atualmente, também já aconteceu com Jesus, Maria e José quando foram obrigados a fugir com o filho para o Egito para escapar do rei Herodes, para evitar a morte.

Porque é que as crianças acreditam no Pai Natal?

“E se esta família procurasse hoje refúgio na fronteira?”, questiona a pastora da CUMC e também jornalista. A reflexão continua: “Imagine José e Maria separados na fronteira e Jesus, não tendo mais do que 2 anos, tirado à sua mãe e colocado atrás das grades num centro de detenção da Guarda Fronteiriça como aconteceu a mais de 5.500 crianças nos últimos três anos?”.

A publicação tornou-se viral — alcançando 11 mil gostos, 13 mil comentários e 23 mil partilhas — e os vários comentários fazem referência ao facto de Ristine e a igreja que representa terem conseguido usar um momento com tanto simbolismo para fazer com que os americanos reflitam sobre o que está a acontecer com as famílias de refugiados.

“Obrigada! Obrigada por ser corajosa o suficiente para fazer isto. Jesus estaria orgulhosa de si”, diz uma utilizadora do Facebook. Outro escreve ainda: “Uau. Imagem poderosa. Eu acredito que Deus irá abrir o caminho para ambos os lados. Isso também me lembra o que acontece quando família se mantém unida ou  quando se esforça demais para fazê-la funcionar. E tudo isso leva ao fim da união familiar”.

Mas há quem critique: “Eles não eram refugiados! Leia a sua Bíblia! Eles estavam a voltar para o casa, para o local de origem de José, para o censos! Liberais estúpidos!”. Este não é o único comentário negativo. A referência ao facto de a igreja ter ligações liberais também foi comentada por outros utilizadores.

No site da CUMC, a igreja adianta que conseguiu cerca de nove mil euros para a organização Justice For Our Neighbors, que dá apoio jurídico às crianças detidas e separadas dos pais na fronteira.