Esta semana, Alyse Parker, uma youtuber supostamente vegan com mais de 727 mil subscritores, fez o upload de um vídeo para o seu canal que deixou muitos dos seus subscritores desiludidos. A jovem surpreendeu a sua comunidade ao anunciar que tinha participado num desafio de 30 dias que consistia em comer apenas produtos de origem animal — ou seja só ovos, carne e peixe (nada de hidratos de carbono, fibras, vegetais ou fruta).

“Vinda de uma história em que fui vegan durante quase cinco anos, sei que como é que é identificar-me com uma cultura de dieta e perder a capacidade de manter a mente aberta”, disse Parker, natural do estado americano do Connecticut, no vídeo de 14 minutos, onde é possível acompanhar parte da experiência.

“Adoro desafios. Desde que estou nas redes sociais que já alinhei em tantos desafios”, disse. Podia ser exagero, mas é verdade: Alyse já esteve 30 dias sem usar champô, um ano sem desodorizante, 21 dias só a beber sumos de fruta, 30 dias sem redes sociais e três anos sem depilar as axilas.

A influenciadora, autora do blogue “Raw Alignment”, apercebeu-se dos benefícios na reintrodução destes alimentos na sua dieta: sentiu-se mais confortável, com mais energia e concentração ao longo do dia, tendo sentido um alívio na fadiga ou em doenças inflamatórias, como diz no mesmo vídeo. Apesar de ter sido uma surpresa, a youtuber já tinha dado pistas de que comia alimentos de origem animal: no Instagram, publicou uma fotografia frente a um prato com um grande naco de carne.

Desde esse dia que começaram a chover críticas, havendo inclusivamente quem a deixasse de seguir: “Animais não são um desafio”, escreveu um seguidor. “E o planeta? Esta dieta não faz sentido nenhum, sobretudo com a atual crise ambiental”, escreveu outro. “Podemos parar de promover uma dieta extrema e velá-la como bem-estar e transformação? É tóxico.”

Apesar da controvérsia, a youtuber já tinha anunciado que não é, nem nunca foi, oficialmente, vegan.

Neste vídeo de março, Parker explica que nos últimos quatro anos sempre foi partilhando com os seguidores aquilo que vinha a comer, mas que começa a questionar se o deverá fazer, uma vez que as mudanças que partilha não são muitas vezes aceites e respeitadas pela sua comunidade.