A Capital do Natal, parque temático a funcionar em Algés, anunciou este sábado, 7 de dezembro, que irá apresentar já na próxima semana uma “queixa-crime contra todos os promotores turísticos que adulteraram a oferta do parque induzindo em erro e defraudando um conjunto alargado de pessoas, prejudicando a Capital do Natal, seu bom nome e imagem”, anuncia a organização, num comunicado enviado aos jornalistas.

A ação surge na sequência de várias críticas terem sido feitas ao parque temático, que foi acusado de “fraude” e de “publicidade enganosa” por diversos visitantes.

De acordo com o que Rui Madureira, um dos organizadores da Capital do Natal, avançou no decorrer da semana à MAGG, terão sido os promotores turísticos espanhóis os principais responsáveis pela adulteração da oferta do parque temático, tendo projetado uma ideia que não correspondia à realidade. Assim, os espanhóis que visitaram Portugal para conhecer o parque temático terão sido os principais lesados.

Fomos à Capital do Natal e não nos sentimos no Círculo Polar Ártico. Não é bom, mas calma

Na base da queixa crime está “a promoção de notícias e de material publicitário” e “a compra de espaço publicitário, na maioria dos casos realizada em Espanha, contrariando a informação oficialmente divulgada, o que criou a falsa expectativa de que a Capital de Natal dispunha, entre outros equipamentos, de pistas de esqui.”

A organização informa ainda que irá adotar “igual procedimento criminal contra todos aqueles que fomentaram ou se aproveitaram de tal atuação ilícita” — o que inclui aqueles que potenciaram esta deturpação  em Portugal.

Por fim, a Capital do Natal “lamenta o sucedido, a que é totalmente alheia”, prometendo levar “até às últimas consequências a identificação dos responsáveis por este crime”, disponibilizando aos lesados pela tal publicidade enganosa, “toda a informação que lhe seja solicitada.”