Lucas, o par de Anabela no programa “Casados à Primeira Vista”, foi um dos convidados de Júlia Pinheiro esta quarta-feira, 4 de dezembro. Durante a conversa com a apresentadora, o barbeiro do Seixal falou sobre a participação do programa, sobre Anabela e ainda recordou alguns dos momentos do seu passado.

Quando foi apresentado como um dos noivos do programa, falou-se da missão que cumpriu em Moçambique, mas o assunto foi pouco aprofundado. Agora, com Júlia Pinheiro, Lucas explica que foi até ao país africano para “evangelizar as pessoas” e que nessa altura apanhou uma grave infeção, tendo sido operado de urgência.

“Foi um choque quando cheguei a Moçambique. Eu era um missionário da igreja e o objetivo era evangelizar as pessoas e fazer também projetos humanitários”, começou por explicar. “A parte fundamental da religião na minha vida foi sempre a vontade e o querer ajudar as outras pessoas. E toda a minha vida ficou sempre marcada por isso. Toda a minha vida fiz voluntariado. Mesmo esses dois anos em Moçambique foi como voluntário. Dois anos seguidos como voluntário”.

“Casados à Primeira Vista”. Lucas beija Anabela na boca e a mãe dela reage mal

Apesar de as condições não serem as melhores, Lucas diz terem sido “os melhores anos” da sua vida.

Mas foi também durante este tempo que o jovem do Seixal foi mordido por um inseto que causou uma inflamação, levando a que tivesse de ser operado de urgência. “Os médicos dizem que foi um inseto, supostamente foi uma aranha, pelo tipo de mordida e pelo tipo de veneno que era. Não souberam precisar e foi esse veneno que entrou dentro do corpo e começou a fazer essa infeção”, explicou.

“Estive muito mal mesmo. Os médicos não sabiam o que era, estavam para me pôr num avião para a África do Sul para ser visto por outros médicos. Só que aí se descobriu, quando a infeção estava a aumentar na perna, a origem da infeção. Fui logo operado de emergência”, acrescentou.

“Tiraram-me um pedaço de carne da perna. Na altura aquilo foi um susto muito grande. A febre era tão alta que eu nem me mexia. O que me lembrava era como se fosse uma gripe, aquelas dores todas no corpo que uma pessoa não se mexe. Não comia, não bebia, não me levantava da cama”, recordou.