Daniel Shravan, um produtor cinematográfico indiano, escreveu no Facebook que a violação não era um assunto sério e que as mulheres deviam cooperar enquanto estão a ser violadas. Estas afirmações levantaram uma onda de revolta, principalmente por parte das mulheres, um pouco por todo o mundo.

Shravan ainda acrescentou que “as vítimas deviam andar com preservativos para que estivessem preparadas caso fossem violadas”, enquanto tentava explicar que a violação sem recorrer à violência devia ser legalizada.

Ana Bolena teve má fama durante 500 anos. Uma historiadora quer mudar isso

O comentário foi feito numa tentativa de defesa de Priyanka Reddy, uma veterinária de 27 anos, que foi violada por um homem que lhe tinha oferecido ajuda para trocar um pneu. O corpo da jovem foi encontrado carbonizado debaixo  de uma ponte perto de Hyderabad, na Índia, na semana passada.

Priyanka Reddy

No seu comentário, Daniel disse ainda que “a violação não é uma coisa séria, mas que o homicídio é imperdoável “e que o governo devia legalizar a violação sem violência para a proteção das mulheres.

Virginia Roberts sobre o príncipe André: “Sentei-me na cama horrorizada, envergonhada e a sentir-me suja”

O seu argumento foi que “depois de o desejo sexual ter sido satisfeito, os homens não matariam as vítimas”, e explica que as mulheres estavam a ser mortas porque ripostavam ou usavam gás pimenta. O produtor ainda comenta que o governo indiano está a assustar os violadores.

Comentário do produtor no Facebook

No Facebook, este comentário foi condenado pela maioria dos utilizadores e, mais tarde, Daniel apagou-o, uma vez que os seus fãs ameaçaram boicotar os seus filmes. Um utilizador da rede social comentou: “Que mentalidade doentia é que ele tem? Nojento e perturbador. Estou cansado desta misoginia e culpabilizar as vitimas”.

Há cada vez mais mulheres a serem agredidas durante relações de sexo consensual