A Pantone Colar Institute já elegeu a cor do ano para 2020, anuncia a revista “Time”. Será o Pantone 19-4052 Classic Blue, um azul escuro profundo e que, apesar de ser, oficialmente, uma cor fria, nos remete para um sítio confortável, como o céu ao entardecer, descreve a vice-presidente Laurie Pressman.

Há 20 anos que a Pantone elege uma cor anual. A primeira foi a Cerulean, um azul mais claro, que pretendia representar a emoção do novo milénio — acabando por influenciar vários ramos da cultura, sobretudo a moda de alta-costura, facto que vai ao encontro do famoso monólogo que Maryl Streep interpreta no filme “Diabo Veste Prada”, em que, na pele de Miranda Pirestly, explica à sua aprendiz como é que uma cor é capaz de dominar a indústria.

Não é por acaso que, para 2020, se volta a eleger um azul. A ideia do tom sereno serve para contrabalançar o novo turbilhão de emoções que invadiu o mundo: “Há o mesmo sentimento de apreensão no mundo [face a 1999], e foi por isso que, com base no que vimos a acontecer na nossa cultura global, escolhemos o Pantone 19-4052 Classic Blue para ser a cor do ano para 2020”, disse à “Time” Laurie Pressman. Acrescentou: “É um azul tranquilizador, cheio de calma e confiança. Isso cria conexão. ”

A ideia é que esta cor, avança a vice-presidente, consiga destacar a “confiança”, “credibilidade” e “estabilidade”, tudo traços que, tendo em conta o “ritmo acelerado”e “stresse mundial”, tendem a ser cada vez mais valorizados.

A “Time” aponta ainda outros traços: “De facto, a cor parece especialmente adequada para esse momento: o tom é sem género e sem estação, tornando-o acessível e desejável para as pessoas em todas as esferas da vida”, escreve, destacando ainda o facto de ser uma cor “que se alinha bem ao movimento da sustentabilidade”, uma vez que é um tom que se consegue obter através de plantas.