Nasceu uma nova rede social que quer fazer concorrência ao Facebook. Chama-se WikiTribune e foi criada por Jimmy Wales, co-fundador da Wikipédia, que diz que no primeiro dia de lançamento a rede social chegou aos mais de 200 mil utilizadores registados.

Segundo escreve o jornal britânico “The Independent”, a nova plataforma digital diz que quer contrariar o modelo de negócio praticado pelo Facebook onde a informação dos utilizadores é monetizada para efeitos de publicidade.

Pelo contrário, a WikiTribune gera lucro da mesma forma que a Wikipédia tem vindo a gerar desde há vários anos. Como? Através da “generosidade de indivíduos”, tal como se pode ler no site oficial da plataforma.

Descarreguei todo o histórico do meu Facebook. E descobri que ele sabe mais de mim do que eu

A confirmar-se que são 200 mil os utilizadores inscritos na plataforma, a verdade é que este continua a ser um número reduzido — especialmente quando comparado com o número de utilizadores registados no Facebook, que ronda os mais de 2 mil milhões de inscritos.

Na sua conta oficial de Twitter, Jimmy Wales diz que embora os números “continuem baixos para a métrica global, é um início entusiasmante”. A nova plataforma diz estar focada na propagação de notícias com a vantagem de combater o clickbait ou as notícias falsas que têm vindo a ser divulgadas noutras redes sociais.

“À medida que as redes sociais têm vindo a crescer, também amplificaram a voz de maus agentes espalhados pelo mundo. As notícias falsas influenciaram eventos globais e os algoritmos preocupam-se apenas com as interações e com a necessidade de manter as pessoas viciadas à plataforma sem qualquer substância”, lê-se na página oficial.

Em sete dias, gastei 18h27 minutos agarrada ao telemóvel

Mas há mais: “A WikiTribune quer fazer as coisas de forma diferente. Nunca vamos vender a tua informação. A nossa plataforma sobrevive apenas através da generosidade de indivíduos que desejem doar. Isso permite-nos assegurar a privacidade dos nossos utilizadores e oferecer uma rede social que seja livre de publicidade.”