O novo carro da marca Tesla, o Cybertruck, foi apresentado esta quinta-feira à noite, 21 de novembro, pelo CEO Elon Musk no estúdio de design da Tesla, em Hawthorne, Califórnia.

Durante o evento, o carro, com um formato robusto, tecnológico e futurista, foi descrito como  sendo um carro feito de aço inoxidável, material usado no foguetes da SpaceX, uma empresa de sistemas aeroespaciais e de serviços de transporte espacial, na Califórnia, que o torna, como referido pelo CEO, um carro “literalmente à prova de balas” e cujas janelas de vidro seriam inquebráveis.

Como para bom entender, as palavras não bastam, Elon Musk pediu ao designer da Tesla, Franz von Holzhausen, que procedesse à demonstração para provar que este carro consegue mesmo resistir ao ataque de balas ou quaisquer outros materiais.

Era de esperar que tudo corresse como previsto, mas não foi isso que aconteceu. Com uma uma espécie de martelo com um grande cabo, Franz von Holzhausen deu uma pancada na porta do condutor e desta primeira experiência não resultou nem um risco, voltando até a bater uma segunda vez para se certificar.

Foi a vez de pegar numa bola dura de aço e acertar na janela. Aqui, o resultado já não foi o esperado e a janela acabou mesmo foi rachar. “Foi com um pouco de força a mais”, disse o assistente em modo de brincadeira depois de Holzhausen e Musk ficarem surpreendidos com o que aconteceu. Seguiu-se uma segunda batida na janela dos passageiros e o mesmo voltou a acontecer.

“Não passou”, disse Musk, otimista, ao mesmo tempo que olhava para a nova criação da Tesla que estava danificado. 

O CEO da marca explica que nos testes nada ficou partido. “Há uma razão estranha para ter partido agora. E eu não sei porquê”, acrescentou.

Especialistas em automóveis revelaram ao canal “CNN” que este seria “um produto de nicho na melhor das hipóteses” devido à aparência incomum, semelhante às produções de Michael Bay, diretor e produtor de cinema americano, conhecido pelos filmes de ação com uso de efeitos especiais, sendo irrelevante o facto de ser ou não quebrável.

A produção deste modelo, que na apresentação em palco parece já não ser à prova de bala, está prevista começar em 2021.