Os encontros são um passo importante para as pessoas se conhecerem, mas quando começam a ser algo mais recorrente e pretende que a relação evolua, há alguns sinais a que deve estar atento. Isto porque podem não estar em sintonia na relação e dar-se o “pocketing”.

Privacidade é a palavra chave deste conceito, que no fundo se refere à situação que acontece quando anda a sair com alguém, mas essa pessoa não o quer reconhecer perante o mundo, de acordo com a revista “Women’s Health“. Redes sociais, colegas de trabalho, grupos de amigos e, principalmente, a família são algumas das zonas de perigo para o parceiro, o que o leva a não querer partilhar a relação.

Talvez nunca se tenha apercebido (ou tentou ignorar) que isto esteja a acontecer consigo. Já pensou que quando pediu para conhecer a família ou os amigos do seu parceiro o assunto era sempre desviado? É este mesmo ponto que nos leva ao “pocketing”: está no “bolso” do parceiro e ele não quer mostrá-lo às pessoas que o rodeiam.

Mas nem sempre é algo mau: “Embora ‘pocketing’ possa ser frustrante e prejudicar a confiança num relacionamento, há muitas razões pelas quais alguém está a esconder a relação”, diz a terapeuta Amanda E. White à revista.

De acordo com Amanda E. White, as razões podem estar relacionadas com medos ligados a relacionamentos anteriores, o que não significa que a relação não possa dar certo e a pessoa com quem tem saído tenha mesmo boas intenções.

Prova disso são alguns dos casos que chegaram até à terapeuta de relacionamentos Chloe Carmichael. A especialista revela à “Women’s Health” que alguns dos clientes admitiram que não apresentavam os seus parceiros às pessoas mais próximas porque gostavam realmente deles e não queriam entusiasmar-se demasiado, estragando a relação.

Há casais a ter sexo a três para salvar a relação de uma infidelidade

Mas existe também o contrário: pode haver um motivo negativo por detrás desse comportamento. Seja ele porque a pessoa vê a relação de uma forma diferente — não quer tornar a relação séria — ou até porque pode ter um outro relacionamento. 

Além disso, pode ainda acontecer que “por vezes as pessoas querem apenas levar a relação de ânimo leve enquanto a relação é nova ou está numa nova etapa sensível”, refere a terapeuta Chloe Carmichael.

Como lidar com o pocketing?

Quando não consegue saber se as intenções são positivas ou negativas, o melhor é expor aquilo que sente, mas não partindo para o ataque. Uma conversa tranquila e sincera é a melhor abordagem.

“Deixe claro desde o início que não o está a julgar. Está apenas curioso sobre a situação”, aconselha a terapeuta Chloe Carmichael. Basta expor uma situação passada, de acordo com a especialista, como quando o seu parceiro não o apresentou como namorado ou namorada a alguém que encontraram no restaurante. Nestes casos deve mostrar que isso fez com que tirasse algumas conclusões sobre a relação que quer esclarecer.

O objetivo da conversa é que tente perceber o porquê de não ser apresentado às pessoas com quem o seu parceiro se relaciona e se essa situação pode ou não vir a mudar no futuro.

Contudo, se o parceiro ficar na defensiva, pode ser um sinal de que é que a relação não está num bom caminho e que no futuro o parceiro pode vir a lidar com eventuais confrontos da mesma forma.

Quando deve sair da relação?

“É difícil dizer de imediato, mas é aí que precisa de examinar os padrões”, refere White. Caso não seja apresentado a amigos ou familiares, isto pode estar relacionado com o facto de a última pessoa que conheceram ter sido alguém com quem iam casar, cuja relação não deu certo — sendo este um motivo compreensível.

Mas se notar que não existe qualquer outra razão plausível, talvez seja a melhor altura para reconsiderar até que ponto pode ir a relação, de acordo com White.

Nesse caso, há que encarar a situação com frontalidade: “Se apenas queremos coisas diferentes, tudo bem. Talvez não queira continuar a participar num relacionamento isolado”, sugere a especialista Chloe Carmichael para uma conversa mais séria. Esta é a melhor forma de sair de um relacionamento onde se sente indesejada na vida de outra pessoa.