O trabalho de José Mário Branco é inequivocamente um dos mais importante no reportório das cantigas de intervenção dos tempos do 25 de abril de 1974. Afinal, o músico e produtor que morreu na madrugada de segunda para terça-feira, 19 de novembro, aos 77 anos, foi perseguido pela PIDE, tendo-se exilado em França, em 1963, para só regressar a um Portugal livre da ditadura. Em maio de 74, no rescaldo da revolução dos cravos, funda o Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta!, um coletivo de músicos e cantores no qual junta nomes como Fausto, Afonso Dias e Tino Flores.

Mas, antes disto, em 1971,  produz aquele que vem a tornar-se num dos trabalhos mais marcantes da história da música portuguesa: o álbum “Cantigas de Maio”, de José Afonso. A quinta faixa deste trabalho “Grândola Vila Morena” serviu de senha para o Movimento das Forças Armadas dar início ao derrube do regime ditatorial que desde 1933 regia o País.

É que José Mário Branco, além de cantar atrás da sua viola, associou o seu trabalho aos bastidores de outros músicos. Escreveu letras e produziu álbuns para nomes como Sérgio Godinho, Camané, Carlos do Carmo Amélia Muge ou Katia Guerreiro. Muitas vezes não lhe ouvimos a voz, apenas as ideias, materializadas em arranjos musicais ou poemas.

A notícia da sua morte apanhou Portugal de surpresa. Mas faz refletir e a hora agora é de homenagem ao seu trabalho. “É enorme. É um dos artistas mais importantes da música portuguesa do século XX e do século XXI”, disse, por exemplo, Camané ao jornal “Público“.

Reunimos alguns dos trabalhos de diferentes artistas portugueses que tiveram mão de José Mário Branco.

1. “Cantigas de Maio”, José Afonso

José Mário Branco produziu um dos mais importantes álbuns de José Afonso: “Cantigas do Maio”, de 1971. Mas as colaborações continuaram: em 1973, produziu “Venham mais cinco”, em 1983 “Como se fora seu filho” e em 1985 “Galinhas do mato”.

2. “Em nome da rosa”,  José Jorge Letria

Foi José Mário Branco o responsável pelos arranjos musicais do álbum  de José Jorge Letria,”Até ao pescoço”,  de 1972.

3. “Que força é essa”, Sérgio Godinho

É impossível dissociar a carreira de Sérgio Godinho da de José Mário Branco. E vice-versa. Segundo o Arquivo José Mário Branco, os artistas colaboraram juntos em “Seis Cantigas de Amigo”, de 1969, em “A Confederação” de 1978 e no espectáculo “Três cantos ao vivo” em 2004.

Além de ter colaborado no tema, foi José Mário Branco que produziu a faixa “Que Força é Essa”, do disco de 2003 de Sérgio Godinho, “O Irmão do Meio”.

4. “Ela Tinha uma Amiga”, Camané

José Mário Branco foi o produtor e diretor musical de vários trabalhos de Camané. Foi também compositor de algumas letras interpretadas pelo fadista, como é o caso de “Ela Tinha uma Amiga”.

5. “Raiz”,  Carlos do Carmo

“Um homem no país”, de 1983, e “Que se fez homem de cantar”, de 1990, foram os dois trabalhos do fadista Carlos do Carmo produzidos e dirigidos por José Mário Branco. Porém, também é sua a letra do tema “Raiz”, do álbum “Polygram “, de 1980.

6. “Águas Passadas”, Ana Moura

O álbum “Leva-me aos Fados”, de 2010, de Ana Moura, inclui colaboração com José Mário Branco, tendo a canção “Águas passadas”. sido produzida por ele, em conjunto com Jorge Fernando.

7. “Em Busca das Montanhas Azuis”, Fausto

A história entre José Mário Branco e Fausto tem muitos anos. Colaboraram várias vezes ao longo de décadas, tendo ambos sido fundadores do Grupo de Ação Cultural, que deu origem ao LP “A Confederação”, de 1978.

Com Filipe Raposo e Tomás Pimentel, José Mário Branco foi também um dos responsáveis pelos arranjos musicais do álbum de Fausto “Em Busca das Montanhas Azuis”, de 2011, o último da trilogia Lusitana Diáspora — o conjunto de trabalhos nasceu com “Por Este Rio Acima”, em 1982, e “Crónicas da Terra Ardente”, de 1994.

8. “Em Nome da Rosa”, Janita Salomé

O músico e produtor dirigiu e foi responsável pelos arranjos de “Em Nome da Rosa”, trabalho de 2014 que valeu a Janita Salomé o prémio Pedro Osório, da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2015.

9. “Amélia com Versos de Amália”, Amélia Muge

José Mário Branco e Amélia Muge colaboraram em “Maio Maduro Maio”, espetáculo dedicado a José Afonso, em 1994. Mais tarde, em 2014, foi ele que dirigiu e tratou da composição musical de três temas do álbum”Amélia com versos de Amália”, editado em 2014 por Amélia Muge.

10. Kátia Guerreiro, “Sempre”

Lançado em setembro de 2018, o álbum “Sempre” de Kátia Guerreiro, foi produzido por José Mário Branco. O músico e compositor também dirigiu dois temas interpretados pela fadista para o filme de Diogo Varela Silva “Alfama em Si”.