Solteiros deste mundo, uni-vos. Não há porque passar o dia deprimido ou a pensar no balde de gelado que vão comer sozinhos em frente a uma qualquer comédia romântica que só serve para lembrar o quão vazio está o outro lado do sofá.

Mas, spoiler alert, nem sempre é bom estar acompanhado, e ser solteiro, tantas vezes, é uma bênção. Por isso, aproveitamos o Dia dos Solteiros para lembrar que a vida a um pode ser incrível e que Lisboa e o Porto têm muito a oferecer a quem comemora o 11 de novembro e não o 14 de fevereiro.

1. Comer uma francesinha ao balcão no Porto

Comer ao balcão é uma boa opção para quando vai sozinho. Não só porque acompanhado obriga a um girar constante de cabeça para conseguir comunicar com a pessoa do banco ao lado, mas também porque permite acompanhar de perto a preparação do prato. No Porto, são vários os sítios onde a Francesinha é servida ao balcão. Seja no Cufra, no Capa Negra ou no Golfinho, conte com uma boa dose de pão, enchidos e molho servidos enquanto dá duas de treta com os funcionários.

Além disso, ninguém vai estar a ver. Peça com ovo estrelado e dose extra de batatas fritas.

2. Aprenda a dançar, sem ser necessariamente a par

Não que não haja pessoas solteiras a aprender a dançar a pares. Aliás, pode até ser uma boa forma de encontrar um par, não só para aquela dança, mas para as próximas.

Mas a ideia aqui é divertir-se sem precisar de uma mão nas costas a indicar o caminho. Na Dance4U, em Matosinhos, o horário divide-se entre funk brasileiro, hip hop, dança do ventre, ballet e afro house. Se um dia quiser apostar em algo a par, também há danças de salão e kizomba.

Já em Lisboa, na Jazzy, encontra opções para todos os ritmos, desde o contemporâneo e ballet até à bachata ou irish dance. Se a ideia for empoderar-se do seu lado mais feminino, experimente a aula de DanceHall Female ou de Broadway.

3. Coma na mesa corrida dos Kitchen Dates, em Lisboa

Já quando serviam o brunch em casa, a ideia era juntar à mesa não os amigos, as famílias e os namorados mas, essencialmente, os amantes do bem comer. Agora, no restaurante que abriram recentemente em Lisboa, Rui e Maria, a dupla gastronomicamente mais sustentável do País, continua a querer juntar conhecidos e desconhecidos à volta dos petiscos vegan que preparam no Kitchen Dates, em Telheiras.

Tal como no brunch caseiro, também no restaurante a mesa é única e tem lugar para 20 pessoas. Como só é permitido fazer reserva para, no máximo, quatro pessoas, a ideia continua ser juntar desconhecidos à mesa e agora não só para brunch, mas também para jantar e petiscos.

4. Tome um café na companhia de um livro no Menina e Moça

É um café, é uma livraria e até um sítio para comer um brunch ao fim de semana. A certeza é que, no Menina e Moça, poderá sempre ter a companhia dos livros que ocupam as estantes deste espaço que, depois de loja aberta no Cais do Sodré, em Lisboa, rumou agora ao Porto.

Além de um menu de vinhos, cocktails, tostas e tábuas de queijos, nesta livraria café há também jam sessions, um clube de leitura, horas do conto, leituras encenadas e noites de quiz.

5. Aprenda a meditar

Aproveite este tempo sozinho para mergulhar no mais profundo da sua essência. A meditação é um exercício como outro qualquer e tal como reina o corpo no ginásio, também pode treinar a mente numa das muitas escolas dedicadas ao tema.

Em Lisboa sugerimos Centro de Meditação Kadampa, que tem aulas de 30, 60 e 90 minutos, assim como cursos mais intensivos e workshops. Já no Porto, pode sempre optar pelo Centro Budista, onde encontra cursos para iniciantes ou para quem quer aprofundar a prática.

6. Comece uma série nova

Para este ponto pedimos ajuda ao nosso expert em séries, filmes e tudo o que envolva um ecrã, o jornalista Fábio Martins. “Diz-me aí uma série para ver sozinha”. Fábio vai ao seu Excel mental e chuta duas, e duas com a palavra “amor” no título: “Love” e “Modern Love”. Mas se ele diz que é boa para corações solitários, vamos acreditar. “Mostra o que é estar apaixonado ou procurar o amor num mundo frenético, onde tudo parece descartável e plástico. São duas séries fofinhas para ver sozinho, quanto mais não seja para não perder a esperança”. O rapaz tem uma newsletter sobre séries, se fosse a vocês dava-lhe crédito.