O City Hostel Lisbon, em Lisboa, precisa de atualizar o portfólio de fotografias e vídeos do hostel para se publicitar online. Se acha que consegue ajudar, em troca eles oferecem-lhe a estadia, pequeno-almoço, wi-fi de borla e acesso ao terraço.

Na 1720 Quinta da Cancela, em Guimarães, são precisos jardineiros paisagistas e pessoas com skills para trabalhar com madeira e alvenaria. Em troca, há um quarto, estacionamento privado e piscina.

E ainda temos mais um em Portugal: chama-se Pensão Francisca e fica em Santa Maria, nos Açores. Estão à procura de carpinteiros, jardineiros e web designers para ajudarem a criar um novo site para a pensão. Em troca, garantem o alojamento com pequeno-almoço incluído, wi-fi grátis, acesso ao terraço e parque privativo.

Feriados. 6 sugestões de viagens para fazer a pé, de autocarro ou de caravana

E se pudesse trabalhar umas horas por dia em troca de alojamento gratuito? Foi esta a ideia que lançou a Barter Week, uma iniciativa que regressa para uma segunda edição de 18 a 24 de novembro. Mais de 600 B&Bs, hotéis e alojamentos locais inscreveram-se para participar, introduzindo na sua “ficha” que ofícios procuram neste momento. Se gostar do espaço e achar que consegue ajudar, basta enviar a sua oferta de troca. É tão simples quanto isso.

Dar aulas de tango na Argentina, tirar fotografias profissionais, ensinar inglês ou ajudar na promoção online. Há mais de 600 espaços à procura de ajuda, em mais de 70 países. Itália é o destino com mais ofertas (407), seguindo-se o Reino Unido (27) e os Estados Unidos (11). Mas também tem sugestões em destinos mais surpreendentes, como o Equador, Egito ou Quirguistão.

A Barter Week não é a única iniciativa a juntar unidades de alojamento e futuros hóspedes que querem usar o trabalho como moeda de troca. A Workaway tem mais de 30 mil anfitriões a oferecerem acomodação e comida por algumas horas de trabalho. Quanto à Barter Week, por enquanto só funciona nestes dias, mas a ideia é ter a iniciativa a funcionar o ano inteiro já em 2020.