Desde 1994 que se celebra o Dia Mundial do Veganismo no dia 1 de novembro, mas a cada ano que passa este dia ganha uma projeção e uma importância cada vez maior. É que de acordo com os últimos dados recolhidos pelo Centro Vegetariano em 2017, até essa altura havia 120 mil portugueses a seguir um regime alimentar vegetariano. Destes, 60 mil indivíduos não consumiam qualquer produto de origem animal.

Seja por razões de saúde, climáticas ou pelo direito dos animais, quem opta por uma alimentação vegan deve fazê-lo de forma consciente. A juntar a isto, não é preciso mais nada do que uma mente aberta e alguns dotes culinários — tal como numa alimentação tradicional.

É que, ao contrário do que ainda se possa pensar, o veganismo não é sinónimo de juntar umas folhas verdes, uns pedaços de tofu sem sabor e umas sementes para dar textura e algumas vitaminas e minerais. Prova disso é Graziela Leite, Sara Guerra e Alexandra Martins — mais conhecidas como Vegana no Mundo, Vegan PortuguesaThings About a Vegan Girl, respetivamente.

Vitamina B12. O que é, para que serve e o que acontece quando há um défice?

Estas mulheres vegans partilham diariamente com os seus seguidores de Instagram algumas das refeições que fazem e em nenhuma das contas vai encontrar pratos que não saltem à vista. São caseiros, uns mais simples do que outros, por isso a única coisa que muda das receitas tradicionais é só mesmo o facto de não ter alimentos de origem animal.

Se no Dia Mundial do Veganismo quer inspirar-se a fazer marmitas simples para levar para o trabalho, ou até para os miúdos, então veja o que Graziela, Sara e Alexandra preparam durante uma semana.

“Vegana no Mundo”

Graziela Leite

Vegana no Mundo/Facebook

Graziela Leite é vegan desde meados de 2016, mas já antes era vegetariana. A transição aconteceu por causa dos animais, processo que aconteceu de forma natural, adaptando apenas os hábitos alimentares e o consumo a essa escolha.

“Comecei a partilhar as refeições no Instagram para mostrar que ser vegan é acessível, fácil e que não passei a comer menos ou a deixar de comer aquilo de que gostava depois da minha decisão”. E é isso mesmo que a designer e brand manager mostra nas marmitas que fotografou para celebrar o Dia Mundial do Veganismo.

5 fotos

“Vegan Portuguesa”

Sara Guerra

veganportuguesa/Instagram

“A minha transição foi gradual. Comecei por deixar de comer carne, depois o peixe, leite e derivados. Tentei fazer tudo com calma, respeitando o meu tempo e com o devido acompanhamento”, refere Sara Guerra à MAGG.

Já lá vão três anos desde que a investigadora na área do envelhecimento decidiu seguir uma alimentação 100% vegetal. “Custa-me ter consciência das condições deploráveis a que são sujeitos a maior parte dos animais, a exploração e os maus-tratos. Passei a perspetivar os animais que tinha no prato de outra forma”, diz, o que originou um desconforto que levou Sara a deixar de consumir alimentos de origem animal.

Quem olha para as publicações dos últimos tempos no Instagram, não diria que no início da transição não era fã de tofu e seitan ou que a comida nem sempre ficava com o sabor que desejava.

“O Instagram permitiu-me ir partilhando estes desafios [experimentar novos alimentos], conhecer outras pessoas cujos princípios se alinhavam com os meus e, ao mesmo tempo, obter inspiração para as minhas receitas”, refere a autora de “Vegan Portuguesa”.

As marmitas que preparou durante uma semana também podem ser inspiradoras para quem está a fazer a transição para a alimentação vegan, ou apenas para quem quer reduzir o consumo de alimentos de origem animal. No fundo, Sara pretende “mostrar que a comida sem proteína animal pode ser saudável, bonita e saborosa”, diz.

5 fotos

“Things About a Vegan Girl”

Alexandra

Things About a Vegan Girl/Facebook

Alexandra tem 32 anos e além de designer, é food blogger e fotógrafa. Foram estes dotes que a levaram a criar um Instagram onde partilhava refeições, ainda antes de tornar-se vegan.

A primeira mudança na alimentação aconteceu há mais de quatro anos: “Decidi tornar-me primeiramente vegetariana por questões ligadas à saúde, mas rapidamente se deu o clique e a transição para o veganismo foi quase imediata”, conta à MAGG a autora do blogue “Things About a Vegan Girl“.

Como em muitos casos, os documentários impulsionaram a transição de Alexandra para o veganismo, fazendo-a refletir sobre a vida animal. “Percebi que não poderia corroborar mais com tanto sofrimento animal e ao mesmo tempo dizer que gostava de animais, e que também não me poderia considerar ambientalista e depois ter no prato parte daquilo que é hoje uma das maiores causas de destruição do nosso planeta”, refere.

Hoje em dia, o Instagram de Alexandra não é um local só para a partilha de refeições, mas também de partilha de conhecimento, já que como a própria refere, pretende “mostrar às pessoas que a comida sem nada de origem animal é simples de fazer e tão ou mais deliciosa do que a comida tradicional”. E é isso mesmo que mostra nestas cinco marmitas.

5 fotos