No episódio de estreia da segunda temporada de “Casados à Primeira Vista“, que regressou à SIC no domingo, 14 de outubro, a concorrente Liliana Oliveira, natural de Sacavém, já tinha dado pistas de que a sua vida não tem sido fácil. Depois do fim do casamento de onde resultaram dois filhos, a secretária de 37 anos viveu uma relação tóxica, em que foi vítima de violência doméstica.

“Sofreu violência psicológica?”, perguntou o neuropsicólogo do programa, Alexandre Machado. “Todo o tipo de violência”, respondeu Liliana. “É alguém que nem sequer cá devia de andar”, comentou, dizendo ainda que, nesta altura, vivia num medo constante, apesar de ter de se mostrar ao mundo de sorriso na cara.

Embora faça, juntamente com Pedro, um professor de Educação Física de 41 anos, parte da dupla mais promissora e com mais química do programa, no diário transmitido na noite de terça-feira, 16 de outubro, a concorrente do “Casados à Primeira Vista” voltou a fazer revelações sobre a sua vida. Mostrou um lado mais vulnerável e fragilizado, tendo surgido várias vezes de lágrimas nos olhos.

“Nós não devíamos desculpar sequer”. Liliana de “Casados à Primeira Vista” sofreu violência doméstica

Não terá contado com o apoio da mãe ao longo da vida. “A minha mãe foi a pessoa que me pariu. Só”, disse no resumo que é todos os dias transmitido às 19h40. Mais tarde, no diário das 23 horas, um dos especialistas confirma que a sua infância não terá sido a melhor. Liliana cresceu com ausência de referências familiares: “Consegue dar amor aos filhos, apesar de nunca o ter recebido.”

Além destes dois aspetos, também o apoio dos amigos parece ser pouco constante. No momento de se reunir com eles para lhes dar a novidade de que iria casar, apenas três pessoas marcaram presença — um dos quais Pedro que, em frente às câmaras, aceitou o convite para ser seu padrinho, tendo na véspera de cerimónia avisado que afinal não iria marcar presença.

“Casados à Primeira Vista”. Toda a história do date que correu mal entre Marta e Luís

Ainda assim, um dos momentos mais emotivos aconteceu quando Liliana foi, sem companhia, escolher o vestido de noiva. De acordo com os especialistas, esta mulher tem uma personalidade cuidadora e prestativa, mas nem sempre estes seus esforços são retribuídos.

“Sinto-me desiludida e triste porque sempre que alguém precisa de mim eu estou lá sempre. Mas, mais uma vez, quando sou eu que preciso de alguma coisa, nunca cá está ninguém. Nunca ninguém pode”, disse.

“No meio de tanta gente com quem me conecto, que priva comigo, consegues sentir-te a pessoa mais solitária do mundo. Ninguém tira cinco minutos da vida para ti. Mais uma vez, quando sou eu que preciso de alguma coisa, nunca cá está ninguém”, lamentou, mais à frente, de lágrimas nos olhos.

“Casados à Primeira Vista”. Tudo o que de mais horrível Ana Raquel já disse sobre o noivo

A sorte de Pedro foi diferente: além de uma despedida de solteiro na companhia dos amigos, foi com a mãe escolher o seu fato de noivo.

A secretária também está a ter dificuldade em conseguir lidar com o facto de estar longe dos filhos, que pela altura ainda não tinham conhecimento de que a mãe iria casar. “Viver esta experiência sem eles [os filhos] não é fácil”, disse.”Foi uma decisão que tomei”, acrescentou, avançando que só iria fazer a revelação junto do marido, “em família.”

Apesar de tudo, no momento em que viu o futuro marido pela primeira vez, Liliana mostrou-se feliz. Pedro também: falou em “amor à primeira vista” e admitiu que ficou surpreendido com a aparência da mulher, que superou as suas expectativas. Pouco depois, surgiram a dar longos beijos à beira-mar. A sintonia foi tanta que convidados do casamento chegaram a dizer, em tom de brincadeira, que se sentiram enganados: “Parecia que já se conheciam”.