Viajantes

From Paris, with (self) love — como Paris pode reconstruir um coração partido

Desgosto de amor? Apanhe o primeiro voo até Paris. A editora da revista Cosmopolitan, Carina Hsieh, dá-lhe nove dicas para que se apaixone por si mesmo na cidade do amor.

i

De quase todos os terraços consegue ver a Torre Eiffel

AFP/Getty Images

De quase todos os terraços consegue ver a Torre Eiffel

AFP/Getty Images

Paris é conhecida como a cidade do amor, não há quem não o saiba. Antes de ir, já todos temos a imagem construída da cidade, como se toda ela fosse o cenário de tudo quanto é filme romântico que vimos nos serões de domingo. E chega até a surpreender os amigos se decidirmos visitar Paris sozinhos ou sem uma namorado, como se fosse ofensivo ver a Torre Eiffel sem ser de mãos dadas.

A cidade é de facto encantadora mas isso não significa que todos os momentos que lá passe sejam assim. A editora Carina Hsieh sabe disso melhor do que ninguém depois de ter visto o fim da relação nesta cidade. À revista Cosmopolitan, Carina Hsieh deu nove dicas para ultrapassar este período. Mais do que tudo, deixa o aviso: “Relembre-se a si mesmo o privilégio que é sentir alguma coisa, mesmo um desgosto amoroso, numa cidade tão mágica.”

1. Manhã à francesa

Se nunca visitou Paris, provavelmente vai ter aqueles cenários de filme na cabeça. Como por exemplo, que os franceses bebem sempre champanhe às refeições. “Se isso é verdade ou não, não interessa”. Encarne a personagem e vá até ao Camélia, um espaço requintado no centro da cidade, e peça, mesmo às 11 da manhã para parecer que pode, um copo de champanhe.

2. Ver Paris de um rooftop

De onde quer ver a cidade vai depender, mais do que da vontade, do orçamento. Consegue ver a Torre Eiffel de um terraço em quase toda a cidade. Mas agora tem nas mãos (ou na carteira) a opção de vê-la de uma banheira cheia de espuma ou de uma mesa de bar. Caso esteja disposto a gastar algum dinheiro, Carina Hsieh recomenda a Suite Mandarin Penthouse, situada na Praça Vendôme, mesmo ao estilo dos filmes de James Bond.

3. Compras Vintage

Paris é igualmente reconhecida como a cidade das lojas vintage. Há várias espalhadas pela cidade e é um bom momento para se dar ao luxo de investir algum dinheiro em coisas para si. Entre muitas, a editora nomeou três favoritas.

A Free’P’Star não é extremamente barata, mas se quer visitar lojas deste estilo, esta é obrigatória. A Kilo Shop como o próprio nome indica, vende peças ao quilo. A roupa está organizada por cores, mas cuidado, “entre pronto para lutar”, afirma, uma vez que a loja costuma estar lotada. A Killiwatch é a mais espaçosa e por isso “a melhor para organizar uma tarde de compras”. Não é muito barata, mas tem muitas peças “únicas e divertidas”.

Na nova tendência de viagens, o crescimento interior também conta

4. Museus? Um ou mais por dia

É rápido ir de de uma ponta à outra da cidade — e o Uber, diz Carina, não é assim tão caro. Portanto, se acordou tarde e está com remorsos por não ter aproveitado a manhã, calma, tem tempo para visitar dois museus e “ainda se perder pela cidade”. A editora elegeu três como preferidos.

Cite de l’Architecture et du Patrimoine: perfeito para os amantes de arquitetura e com preços reduzidos para pessoas com menos de 26 anos. O Musee de Cluny: do estilo de bela adormecida e focado na arte medieval. Por último um clássico, o Museu do Louvre onde a editora confessa ter adorado perder-se na pirâmide de vidro.

É possível ver a Torre Eiffel de um terraço em quase toda a cidade

Getty Images

5. Perca-se nas ruas

“Paris é a cidade dos cafés na rua”, conta, há centenas de esplanadas onde se pode sentar e apreciar a movimentação e beleza ao seu redor. Para além disso, pode sempre caminhar perto do rio que nunca se vai desiludir, acaba sempre por chegar “a lugares divertidos”.

Embora não seja fácil esquecer o fim do relacionamento, tente afastar-se desses pensamentos por uns momentos e reserve uma massagem no Spa Diane Barriere.

6. Quarto com varanda? Obrigatoriamente

Visitar Paris sem ter uma daquelas fotos românticas na varanda, é “o mesmo que não ter ido”, afirma Carina. A cidade está recheada de vistas incríveis, e mesmo que não tenha a Torre Eiffel no cenário, acaba por ser sempre um contexto “fofo”.

7. Um jantar à estrela de cinema

Restaurantes em Paris não faltam. Alguns mais baratos, outros nem tanto. Mas uma vez, permita-se alargar o orçamento desta refeição e tenha um jantar à estrela de cinema. O Le Fouquet’s está localizado na avenida Champs-Élysées e é um marco histórico da cidade. Um local frequentado por estrelas, e onde a editora recomenda provar o filete de carne com puré de batatas, de maneira a “desfrutar da melhor refeição da sua vida”.

Paris. Expectativa vs. realidade de uma das cidades mais famosas da Europa

8. Beba um copo de vinho no Sena para afogar as mágoas

Depois de descobrir que a pessoa que é para si o amor da sua vida não está no mesmo mood — vai precisar de um empurrão para recuperar. O ideal é “obrigá-lo a tirar-lhe uma foto porque gastou 180€ naquele maldito vestido”, afirma a editora, e “beber uns bons litros de vinho”, continua.

9. Perca-se pelas ruas e conheça estranhos

Paris tem feiras incríveis, de dia e de noite. E talvez o seu namorado (ou ex-namorado) não esteja disposto a tirar umas fotografias naquelas cabines vintage, mas não há problema. “Espere que ele volte para o hotel e tire sozinha”, fique na rua, coma um crepe (mais um daqueles clichés franceses) e passeie com estranhos, talvez encontre aqui o amor da sua vida.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.