Sociedade

Sagardi. A gastronomia basca desce até ao Porto

Neste restaurante, a comida basca pode ser apreciada em forma de petiscos ou em pratos mais completos, como a carne velha, para degustar demoradamente.

i

Sagardi Porto é o primeiro restaurante do grupo dedicado 100% à gastronomia do País Basco

Sagardi/divulgação

Sagardi Porto é o primeiro restaurante do grupo dedicado 100% à gastronomia do País Basco

Sagardi/divulgação

Os 681 quilómetros que separam o País Basco da cidade do Porto, ficaram agora à distância de uma marcação na mesa do restaurante Sagardi Cozinheiros Bascos, que abriu no edifício nº 54 da Rua de São João, perto da Ribeira do Porto.

Aqui, a degustação faz-se por fases: no piso térreo pode terminar um final de tarde a provar as pequenas delícias da gastronomia basca, como os pintxos, uma iguaria típica apresentada num palito e servida com uma fatia de pão (cada unidade custa 2,10€). Quando a noite chegar, pode passar para uma refeição mais completa e demorada no restaurante, que fica no piso inferior.

Zona da "barra de pintxos", típica na cultura basca, onde se apresentam pequenas porções desta gastronomia

Sagardi/divulgação

Aqui, encontra vários sabores típicos região que quase toca na fronteira francesa. Abrimos o apetite: se quer algo mais tradicional e reconfortante tem a “Cozinha da Avó”, uma parte da ementa da qual fazem parte pratos como o bacalhau frito típico das casas de sidra espanholas (22 €) ou o rabo de vaca velha “al Rioja Alavesa” (24€), que caracteriza os sabores do Txuleton (carnes de vacas velhas preparadas na grelha).

Se quiser partilhar vários petiscos, também pode. Tem a “Txistorra” (um enchido de origem basco-navarra) de Orio na “parrilla” (grelha) por 9€, o presunto ibérico 100% de bolota de Salamanca, de 26€, ou o tártaro de atum vermelho dos Açores com “guindilla” (malagueta) fresca de Ibarra, por 20€.

Mas além dos pratos de carne e de peixe, também pode ser preparado um prato vegetariano, sugerido no momento pelo chef Iñaki López de Viñaspre, um dos irmãos que deu inicio ao projeto Sagardi Cozinheiros Bascos.

Irmãos Iñaki e Mikel López de Viñaspre que lançaram o são a cara do grupo Sagardi

Sagardi/divulgação

Seja qual for a escolha, a certeza é que os pratos tradicionais são preparados com produtos sazonais, e os legumes vêm da horta de agricultura ecológica do próprio grupo Sagardi.

Para completar a refeição, a tradição basca mantém-se — com as típicas sidras e vinhos — mas também se nota um toque português, já que a carta do restaurante inclui vinhos da região do Douro.

Este é o primeiro espaço do Sagardi dedicado 100% à gastronomia do País Basco, alargando a oferta do grupo em Portugal: “Em 2013, [os irmãos] foram os impulsionadores do projeto VINUM Restaurant & Wine Bar, em parceria com a Symington Family Estates, um restaurante vínico estrategicamente localizado nas emblemáticas Caves Graham’s, em Vila Nova de Gaia”, refere o grupo em comunicado.

Todos os dias da semana são bons para visitar o Sagardi Porto: a barra de pintxos (para uma refeição mais leve e acompanhada de um vinho para partilhar com os amigos) está aberta entre as 10 e as 24 horas e o restaurante serve entre as 12 e as 23 horas.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.