Dos cinco vestidos que a apresentadora Cristina Ferreira usou na Gala dos Globos de Ouro 2019, este domingo, dia 29 de setembro, dois têm dado mais que falar.

Um deles, o vestido branco, que só fica completo com uma coroa, de tão exuberante já foi até replicado por uma mulher de 89 anos, que recriou o look por iniciativa da instituição na qual está inserida, a Santa Casa da Misericórdia da Azinhaga

Como a Dona Anita de 89 anos recriou o vestido que Cristina usou nos Globos

Já o vestido sustentável e feito de rolhas, além de ser comentado pela excentricidade, tornou-se agora ainda mais polémico. É que a criação da estilista portuguesa Micaela Oliveira parece ter semelhanças com aquele que a designer de alta-costura holandesa Iris Van Herpen apresentou para a coleção Primavera-Verão de 2018 na Semana da Moda de Paris no ano passado.

Analisamos as semelhanças: as cores suaves, os tecidos com alguma transparência, os materiais sustentáveis e as ondas que dão movimento à peça.

Contudo, há uma diferença. A estilista holandesa explicou à revista Vogue que a coleção é inspirada na era vitoriana e usa os materiais como forma de lembrar “os movimentos das asas dos pássaros”. Já Micaela Oliveira, de acordo com a revista “Maria“, refere: “A minha criação foi inspirada nas algas, corais, no cavalo marinho (…)”.

A estilista portuguesa defende-se das acusações, dizendo à mesma revista: “Não conheço o vestido em questão, não o vi. Mas fico muito lisonjeada de ser comparada a uma das melhores estilistas do mundo”.

Micaela Oliveira, que já vestiu Cristina Ferreira várias vezes, refere ainda que usou várias técnicas também usadas pela designer de alta-costura holandesa. “Os materiais são os mesmos, assim como a tecnologia… o corte a laser… Mas nunca vi um vestido dela iluminado como este”.

A estilista portuguesa explica que a tecnologia do corte de laser foi usada pela primeira vez em Portugal no vestido sustentável da apresentadora Cristina Ferreira, feito com base numa matéria-prima abundante no País — a cortiça.

Micaela termina ainda a reação às comparações que têm sido feitas, questionando: “Quantos vestidos apareceram na red carpet dos Globos que são parecidos? Quantos vestidos de princesa foram escolhidos? Então são todos parecidos com todos. Este faz lembrar o da Cristina porque foi usada a mesma tecnologia, mas não são iguais”, justifica.