A PSP encontrou uma creche ilegal no interior de um salão de cabeleireiro, na Amadora. A fachada fazia querer que ali funcionava apenas um cabeleireiro, mas no interior estavam 16 crianças com idade compreendidas entre os três meses e os 10 anos, sem condições de higiene e sem áreas adequadas para dormirem.

A denuncia foi feita por um agente da PSP, que também fez parte da investigação. Alertado pelo choro de uma criança, acabou por entrar no espaço e encontrar a creche ilegal com condições degradantes. As crianças passavam o dia na cave, apenas tinham uma casa de banho, que se localizava no piso superior onde se encontra o salão que já não estava em funcionamento. Por este motivo, as crianças faziam as necessidades em baldes e não tinham áreas adequadas para descansar.

Entrevistámos um polícia do Facebook em Portugal que impediu coisas horríveis na rede social

Os agentes realizaram uma rusga acompanhados por inspetores da segurança social e técnicos da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ). O caso já teria sido denunciado à segurança social, mas ainda não tinha sido tomada nenhuma diligência.

Ermelinda Melo, dona do negócio ilegal, explicou ao Correio da Manhã que arrendou o antigo salão há dois meses e que as crianças eram bem tratadas. Acrescentou que vai continuar a cuidar delas, porque os “pais precisam”. A proprietária de 48 anos cobrava em média 60€ mensais aos pais, no entanto uma mãe assumiu que não pagava mais de 40€.

A PSP alertou os pais para que fossem recolher os seus filhos e aperceberam-se que a responsável do espaço nem sequer tinha os contactos de todos os responsáveis.

O caso já foi comunicado ao Ministério Público.