Portugal estava na corrida para organizar a edição de 2022 do EuroPride, o evento de celebração da cultura LGBT e do orgulho gay, juntamente com a Sérvia, Irlanda e Espanha. Apesar de ter proposto Lisboa e Porto como duas das possíveis localizações para o evento, acabou por perder para Belgrado, na Sérvia. O anúncio foi feito este sábado, 21 de setembro, em Bilbau, Espanha.

A candidatura foi entregue em janeiro pela Variações, a Associação de Comércio e Turismo LGBTI em Portugal e contou com o apoio do governo e da ILGA Portugal. Na altura, em declarações à rádio TSF, Diogo Vieira da Silva, diretor executivo da Variações, destacou a importância de ter o País envolvido na organização do evento.

“Habitualmente, o EuroPride atrai em média meio milhão de pessoas à cidade que o organizar. Uma forma de comparação que podemos dar é que o EuroPride teria mais impacto do que o Festival da Eurovisão da Canção teve”, explicou.

Casal gay beija-se contra protesto homofóbico e imagem torna-se viral

Já ao jornal “Público”, garantiu que “o envolvimento político e governamental, ainda que apenas institucional” foi capaz de mostrar que aquela não era a vontade de apenas uma associação. “É todo um País que está envolvido nesta afirmação de igualdade”, reforçou.

Segundo o jornal “Público”, que cita a Agência Lusa, a candidatura de Portugal apostava num programa de seis dias a acontecer entre 19 e 24 de setembro de 2022, em Lisboa e no Porto. O lema? “Beyond Proud”.

A edição de 2019 do Europride aconteceu em junho em Viena, na Aústria.