Começar a estender peças de roupa com publicidade vai render dinheiro em Alfama. A iniciativa “Estende a Renda” arrancou já esta quinta-feira, 19 de setembro, pela Associação do Património e População de Alfama em parceria com a cadeia de supermercados Minipreço. O objetivo? Combater a gentrificação numa altura em que, segundo escreve o jornal “Eco”, entre 2015 e 2017 foram comprados 150 apartamentos na região e convertidos em unidades turísticas.

Segundo a página oficial da iniciativa, só nos últimos três anos “registou-se um aumento de 400% no número de alojamentos locais e, só no bairro de Alfama, já existem mais de 1700, fazendo as rendas disparar entre 30% a 40%”. O aumento dos valores da renda chegam muitas vezes a representar 90% do salário médio de um trabalhador — tornando-se incomportável.

É com esta ideia mente que surge a iniciativa: ajudar os moradores do bairro de Alfama, em Lisboa, a suportar os valores das rendas em troco de publicidade às marcas envolvidas. A recompensa é monetária.

Quanto é que precisa de ganhar por mês para viver em Lisboa e não estar sempre a pensar em dinheiro

Segundo o mesmo jornal, o Minipreço promete oferecer um vale de 50€ a cada duas semanas (o que corresponde a 100€ ao final do mês) para os moradores que se associem à iniciativa e aceitem estender roupa com publicidade da marca. O vale oferecido é válido em qualquer loja da marca.

O método de participação não podia ser mais simples. Todos os interessados devem registar-se no site oficial do evento para que, depois de confirmada a participação, possam receber um kit em casa com todas as peças que vão ter de pôr no estendal.

O kit inclui peças como fronhas de almofadas, t-shirts, toalhas e lençóis com a marca do Minipreço estampada. Ao “Eco”, fonte do Minipreço garantiu que “não haverá um controlo exaustivo” durante a campanha mas a Associação do Património e População de Alfama diz que se irá certificar “de que as pessoas cumprem, dentro da normalidade, os requisitos” obrigatórios.

Espera-se que a campanha “Estende a Renda” seja alargada a outros bairros de Lisboa com mais marcas associadas.