Seja a fazer scroll no Instagram, a ouvir música na rádio ou num simples zapping entre séries, é quase impossível fugir àquelas promoções que prometem o, aparentemente, impossível. Falamos aqui da promoção do chá que ajuda a emagrecer, do anúncio sobre o pão que não engorda ou o tratamento que promete acabar com a celulite.

Ora, tudo isto vai acabar. De acordo com o jornal britânico “The Independent“, o Instagram anunciou esta quarta-feira, 17 de setembro, que vai limitar a publicação de produtos de perda de peso e de cirurgias plásticas, como forma de minimizar o impacto negativo que este tipo de promoção têm na imagem corporal. A medida aplica-se também ao Facebook, já que este tipo de publicações já que também é frequente na rede social.

“Queremos que o Instagram seja um lugar positivo para todos aqueles que o usam e esta política faz parte do nosso trabalho contínuo para reduzir a pressão que por vezes as pessoas sentem como resultado da utilização das redes sociais”, refere Emma Collins, gerente das políticas públicas do Instagram, ao jornal britânico “The Guardian“.

O Instagram pode vir a esconder o número de gostos que as suas fotos recebem

Mas esta medida tem algumas variantes: enquanto algumas publicações estão apenas limitadas a menores de 18 anos, outras serão mesmo removidas das plataformas. A eliminação aplica-se às publicações cujo conteúdo prometa efeitos “milagrosos” de produtos de perda de peso ou que estejam associados a ofertas promocionais, como é o caso dos códigos de desconto.

A decisão foi acompanhada por especialistas, de forma a “garantir que todas as etapas para restringir e remover estes conteúdos tenham um impacto positivo na comunidade de mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo”, esclarece Emma Collins.

Contudo, a novidade não foi bem recebida por vários utilizadores que comentaram o anúncio no Twitter. “Isso é a medida mais estúpida que já ouvi”, refere uma utilizadora e outra critica o facto de o Instagram não aplicar medidas sobre outros problemas na rede social: “Boa, mas quando é que vão corrigir a vossa política sobre o uso do Instagram por pedófilos e crianças?”.

Além de haver quem diga que “são noticias fantásticas”, outros aproveitam o momento para ironizar: “Como é que as solteiras vão ganhar dinheiro agora?”.

Quem aplaudiu a iniciativa foi Jameela Jamil, atriz conhecida pela série “The Good Place” e ativista do positivismo do corpo: “O Instagram foi útil como plataforma para os meus protestos e petições. Eles sempre me ouviram, interessaram-se pelo que dizia e mantiveram a comunicação durante todo o processo”. 

“Instagram were supportive and helpful when I brought them my protests and petitions; they listened, they cared, they moved so efficiently, and communicated with us throughout the process.”

A atriz que criou o movimento “I Weigh” e expandiu-o para uma conta de Instagram onde partilha a sua mensagem, criticou várias vezes figuras públicas como Khloé Kardashian por fazer publicações de produtos para perder peso.

Acrescenta ao jornal britânico que esta é uma vitória e que está feliz pelo facto do Instagram e do Facebook se posicionarem no sentido de proteger a saúde física e mental dos utilizadores. Para a atriz e para o movimento que criou, a novidade do Instagram representa “esperança para a nossa geração, que merece respeito e proteção das celebridades e dos influenciadores que seguem”.